Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Entre para seguir isso  

    Como são feitos os keygens

       (0 análises)

    Fernando Mercês

    Keygen, que abrevia “Key Generator” é um software capaz de gerar chaves válidas de registro para um software protegido. A prática desta técnica pode (e provavelmente vai) infringir algumas leis quando usada em softwares comerciais. No entanto, existem alguns desafios na internet chamados de “keygenmes”, que são programas feitos justamente para serem quebrados. O desafio está em criar keygens para eles. Este é um estudo muito interessante que treina bastante a lógica, matemática, assembly e até mesmo massageia o ego, se você vencer.

    Obviamente você não tem acesso ao código-fonte do desafio, então um disassembler, software capaz de interpretar os bytes do binário como mnemônicos assembly, precisará ser usado. Para facilitar o keygenning, também é interessante usar um debugger.

    Neste artigo eu vou usar um poderoso debugger e disassembler multiplataforma chamado EDB, projeto este que apoio. Ele foi escrito em C++ e Qt (então você precisa ter a Qt instalada para rodar). No github do projeto há instruções para instalação no Debian/Ubuntu, Fedora, Gentoo e para compilação (em qualquer ambiente).

    Neste artigo, usaremos dois arquivos:

    • keygenme.c -> código-fonte do keygenme (desafio).
    • keygen.c -> código-fonte de um keygen para o keygenme (solução).

    NOTA: O texto prevê que não conhecemos o código-fonte do desafio. Logo, se você olhar o fonte do keygenme (keygenme.c) ou do keygen proposto (keygen.c) antes de seguir a leitura, tudo perde a graça! Fica tranqüilo que no final dá tudo certo. Aliás, se ainda não deu certo, é porque não chegou ao final. ;)

    Depois de baixar os caras, pode compilar só o keygenme.c, com a sintaxe básica do gcc:

    $ gcc -o keygenme keygenme.c

    O keygenme espera que você passe como argumentos o seu nome e sua chave (esta última você não sabe). Vamos ver se damos sorte:

    $ ./keygenme Fernando FCKGW-90908-30BCD
    Chave inválida

    Claro que eu chutei uma chave qualquer para simular uma tentativa de registro mas não acertei (eu tinha alguma chance de acertar?). Até agora não sabemos nada sobre a chave. Ela pode ser alfanumérica, só numérica, ter ou não hífens, enfim, as possibilidades são infinitas. Desafio é desafio!

    Vamos abrir o binário no EDB. Aliás, uma das facilidades dele é já colocar automaticamente um breakpoint no entrypoint do binário, ou seja, ao abrir um binário, basta mandar o EDB rodá-lo (tecla F9) e ele parará justamente no início da main(). Após fazer isso, você provavelmente verá algo como:

    00000000004006cc: push rbp
    00000000004006cd: mov rbp, rsp
    00000000004006d0: push rbx
    00000000004006d1: sub rsp, 56
    00000000004006d5: mov dword ptr [rbp-52], edi
    00000000004006d8: mov qword ptr [rbp-64], rsi
    00000000004006dc: mov rax, qword ptr [rbp-64]

    NOTA: Ao compilar o keygenme.c na sua máquina, os endereços vão mudar, mas é só ter isso em mente e seguir tranqüilo, fazendo as adaptações.

    Aqui você tem que notar 4 coisas:

    • A seta vermelha (que aparece no EDB) indica qual é a próxima instrução a ser executada pelo processador.
    • A sintaxe do assembly é Intel.
    • Eu estou num sistema de 64-bits, por isso os registradores aparecem como rbp, rbx, rsp, rax, etc. Se fosse um sistema de 32-bits, seria ebp, ebx, esp, eax e por aí vai (só trocar o “r” pelo “e”).
    • De um modo geral, toda função (e a main não é uma exceção), começa com um “push rbp” e termina com um “ret”.

    Não temos tempo para destrinchar linha a linha, mas vamos tratar das linhas mais importates. Aliás, o debugger te ajuda a não precisar de muito conhecimento em assembly para entender o que as linhas fazem.

    Teclando F8 (Step out), passamos para a próxima instrução. Podemos ir teclando F8 calmamente até chegar nas seguintes linhas:

    00000000004006e7: test rax, rax
    00000000004006ea: jz 0x00000000004006fc

    As instruções acima trabalham em conjunto. Em 0x4006e7, o registrador rax é verificado pela instrução test. Se seu valor for zero, a próxima instrução será um salto para 0x4006fc. Se seguirmos dando F8, veremos que este salto vai nos jogar para a linha a seguir:

    00000000004006fc: call 0x00000000004006b4

    Nela tem a instrução call, que é uma chamada de função. Mais um F8 e pimba, o programa encerra. Ok, e para que eu faço isso? Bem, a questão é perguntar-se: por que o programa encerrou? Porque ele chamou a função 0x4006b4. E por que ele a chamou? Porque o salto em 0x4006ea aconteceu. E por que o salto aconteceu? Porque o teste em 0x4006e7 deu verdadeiro. E porque deu verdadeiro? Porque rax estava zerado. Logo, para que o programa não encerre logo no início de sua execução, é preciso ter algo em rax. Para não alongar muito o texto, eu vou dar a cola: rax precisa apontar para um argumento (char *), do contrário, não dá pra começar a brincadeira né? A execução que acompanhamos foi como se tivéssemos feito:

    $ ./keygenme
    Chave inválida

    E pronto. Não passamos argumentos, então não há o que testar. O programa encerra depois de imprimir a mensagem de erro. Vamos corrigir isso.

    No EDB, é preciso colocar os argumentos em Options -> Applications Arguments. Coloquei dois argumentos para chamar o binário como:

    $ ./keygenme Fernando 30303030

    Agora sim a gente passa naquele teste teste em 0x4006ea (e também no teste em 0x4006fa, que testa o segundo argumento). Mas é preciso reabrir o arquivo no EDB depois de configurar argumentos.

    Começando novamente com F8, ao passar por 0x4006ea sem pular, caímos em 0x4006ec. Esta instrução mov copia (pois é, ela não move!) o endereço de memória do primeiro argumento para o registrador rax.

    00000000004006ec: mov rax, qword ptr [rbp-64]

    Ainda bem que agora ele não é nulo. Do contrário, teríamos um belo Segmentation Fault. Por isso do teste antes.;)

    O mesmo acontece em 0x400701, só que para o segundo argumento. Agora muita atenção no trecho abaixo:

    0000000000400709: mov rax, qword ptr [rax]
    000000000040070c: mov rdi, rax
    000000000040070f: call 0x0000000000400588

    Novamente o primeiro argumento (Fernando) é endereçado em rax. E ao passar da call em 0x40070f, o número 8 é posto em rax. Sabendo que o rax é o registrador geralmente usado tanto para passagem de parâmetro quanto para retorno de função, podemos entender que o endereço da string “Fernando” foi passado para a função 0x400588 e esta retornou 8. Consegue ver alguma relação? O que o número 8 tem a ver com a string “Fernando”? Se quiser confirmar sua suspeita, pode mudar este argumento no EDB, reabrir o keygenme e avaliar o novo número de retorno.

    Mais abaixo, segue uma tremenda sacanagem:

    0000000000400717: cmp dword ptr [rbp-40], 3
    000000000040071b: jle 0x0000000000400723
    000000000040071d: cmp dword ptr [rbp-40], 20
    0000000000400721: jle 0x0000000000400728
    0000000000400723: call 0x00000000004006b4

    Em 0x400717 o valor 8 (no caso do meu exemplo) é comparado com 3. Na seqüência vemos um salto jle (Jump if Lower or Equals) para 0x400723. E neste endereço, tem uma call pra 0x4006b4. Lembra desta call? Não foi ela quem encerrou o programa da outra vez? Não podemos cair nela. Sorte que 8 é maior que 3. ;)

    Certo, não saltamos. Agora abaixo:

    000000000040071d: cmp dword ptr [rbp-40], 20
    0000000000400721: jle 0x0000000000400728
    0000000000400723: call 0x00000000004006b4
    0000000000400728: mov eax, dword ptr [rbp-40]

    Outra comparação. Desta vez para ver se o 8 é menor ou igual a 20. Se não for, ele não salta e cai na call maldita novamente, para encerrar o programa. Que conclusões podemos chegar?

    • O programa testa se os dois argumentos existem. Basta que um não exista para que o programa seja encerrado.
    • O 8 visto aqui é o tamanho da string nome (primeiro parâmetro, que no meu exemplo foi “Fernando”).
    • Caso o tamanho da string não esteja entre 4 e 20 caracteres, o programa encerra.

    Seguindo com F8, chegamos neste bloco:

    000000000040075d: movsxd rax, rbx
    0000000000400760: add rax, qword ptr [rbp-32]
    0000000000400764: movzx eax, byte ptr [rax]
    0000000000400767: movsx eax, al
    000000000040076a: mov edi, eax
    000000000040076c: call 0x00000000004005a8
    0000000000400771: test eax, eax
    0000000000400773: jnz 0x000000000040077a
    0000000000400775: call 0x00000000004006b4
    000000000040077a: add ebx, 1
    000000000040077d: cmp ebx, dword ptr [rbp-40]
    0000000000400780: jl 0x000000000040075d

    Se você não conhece assembly, pode ser que não esteja claro, mas o debugger com certeza vai te entregar que isso é um loop determinado (um for). Vou deixar essa análise de lado, mas quem não conhece pode olhar o fonte em C depois e tentar identificá-lo aqui.

    Mais abaixo, outro loop:

    0000000000400789: movsxd rax, rbx
    000000000040078c: add rax, qword ptr [rbp-32]
    0000000000400790: movzx eax, byte ptr [rax]
    0000000000400793: movsx eax, al
    0000000000400796: add eax, 10
    0000000000400799: add dword ptr [rbp-36], eax
    000000000040079c: add ebx, 1
    000000000040079f: cmp ebx, dword ptr [rbp-40]
    00000000004007a2: jl 0x0000000000400789

    Esse já é mais simples. Pelo debugger você vai perceber que ele pega o valor ASCII de cada caracter do primeiro parâmetro e soma com 10. E vai somando esses resultados também (em memória, no endereço [rbp-36]). Quando este loop acabar, o endereço [rbp-36] conterá a soma em ASCII de todos os caracteres da string do nome somados, mais o resultado de 10 vezes o número de caracteres da string. Ou seja, se o nome fosse “ABCDE”, teríamos:

    A -> 65
    B -> 66
    C -> 67
    D -> 68
    E -> 69
    
    65+10 + 66+10 + 67+10 + 68+10 + 69+10 = 385

    Dá no mesmo que:

    65 + 66 + 67 + 68 + 69 + 10 * 5 = 385

    E esta é a lógica do programa. Ele pega o nome de usuário inserido, aumenta os valores de cada caracter em 10 unidades e depois os soma. O resultado é a chave para o nome de usuário inserido. Além disso, há as restrições de tamanho de nome e mais algumas que precisam ser implementadas no keygen.

    Agora é só fazer o keygen (lembrando que propus um no começo do artigo). Se quiser brincar, pode escrever um programa na sua linguagem preferida que receba um nome de usuário de acordo com as regras impostas pelo keygenme e gere uma chave válida para este usuário.;)

    Entre para seguir isso  


    Feedback do Usuário

    Join the conversation

    You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

    Visitante

  • Conteúdo Similar

    • Por kassane
      Olá pessoal, tudo bem?
      Creio que a maioria já sabem sobre  software reverse engineering(SRE) publicado pelo NSA's Research Directorate.
      Pois já existe uma comunidade voltada para esta ferramenta específica com um crescimento massivo, inclusive até mesmos curiosos desconfiados.
      Fontes de informações disponíveis:
      Ghidra -Download Release Notes Installation Guide Issues Tracker Community Collection Cheat Sheet - PDF API Documentation Decompiler Documentation Online Courses Getting Started Scripts Wiki  
    • Por Candeer
      Olá! No artigo anterior falamos sobre Signals, que é de suma importância para a comunicação entre processos, mas para construir o nosso debugger precisamos muito mais do que apenas isso, precisamos de fato ter total controle sobre um dado processo e se possível controlar até o seu própio início.
      Neste artigo será explicado o que são forks e seu uso em desenvolvimento de aplicações em sistemas UNIX. Sem mais delongas, vamos prosseguir!!!😀
      Resumidamente a syscall fork é usada para a duplicação e criação de um processo. Quando um dado processo chama a função fork(), é criada uma cópia idêntinca de seus dados. Note que apenas uma cópia é feita, o processo filho não compartilha o mesmo espaço de memória do pai.
      A syscall fork retorna um PID que é usado para indetificar em qual processos estamos e também dar acesso ao ID do processo filho. Caso o PID seja 0 estamos executando no filho, caso seja qualquer outro somos o processo pai, isso ocorre pois o pai precisa saber o PID do filho, mas o filho não necessariamente precisa saber o seu própio (da mesma maneira que o seu processo não sabe o própio PID ao menos que o mesmo peça).
      Algo interessante de se notar é que os Init System usados para subir e gerenciar serviços de sua máquina trabalham dessa mesma maneira, você pode checar sua árvore de processo usando comando pstree:
      $ pstree Dessa maneira você tem uma representação bem visual de como está dividida a sua estrutura de processos 😀. Note que todos os processos são filhos do seu Init system (seja ele SystemV, Systemd, etc). Aconselho você explorar o comando pstree para uma visão bem mais detalhada do seu sistema! Outra abordagem é usar o própio comando ps:
      $ ps -ef Rode o comando acima (dependendo da quantidade de processos use um pipe para o less 😉) e com ele teremos uma visão mais detalhada. A coluna PID representa o ID do processo em si e a coluna PPID representa o "Parent Process ID", que nada mais é que o ID do processo pai. Note que o PID 1 é o seu Init System e os seus processos rodam como filho dele!

      Vale notar que o processo Pai do própio init é o PID 0, que é conhecido como "swapper" ou "scheduler", que é o processo responsavel para realização de paging. Paging é o sistema de gerenciamento de memória que salva os dados da RAM em uma memória secundária (HD, SSD e etc) e recupera em formato de páginas (outros PID também são filhos do propio PID 0 como PID 2 que gerencia todas as threads que rodam em Kernel Land(KThread) etc).
       
      Programando Forks
      A syscall fork está na lib  <unistd.h> (Unix Standard library) e tem a seguinte construção:
      #include <sys/types.h> #include <unistd.h> pid_t fork(void); Precisamos incluir a lib <sys/types.h> para que seja possivel acessar o tipo pid_t. A função fork não espera nenhum parâmetro para a sua construção e o código abaixo demonstra o quão simples é cria um fork.
      #include <stdio.h> // Acesso a syscall #include <unistd.h> // Acesso ao tipo variavel pid_t #include <sys/types.h> int main(void) { int x; printf("Processo normal...\n"); printf("Forking...\n"); sleep(5); pid_t pid = fork(); x = 40; if (pid == 0) { printf("Eu sou o processo filho meu PID: %d\n", pid); } else { printf("Eu sou o processo pai de %d\n", pid); } sleep(5); return 0; } Compile o código acima da seguinte forma:
      $ gcc -o fork fork.c $ ./fork Note que o código se "divide" a partir da chamada fork e um if  é usado para saber se estamos executando no pai ou no filho, note também que o pai sabe o PID e o filho não.
      Para melhor visualização o código acima roda por 10 segundos (por conta da chamada ao sleep com esse tempo de espera). Abra um outro terminal e rode o comando:
      $ watch -n1 pstree O comando acima vai executar o pstree a cada 1 segundo, desta forma você verá o exato momento da criação do fork.

      Comunicando-se com o processo fork
      Agora imagine que um  processo precisa esperar o seu filho terminar algum trabalho e dependendo do seu sinal o processo pai realiza alguma ação. A comunicação entre o processo pai e o filho se da por signals. O pai pode saber exatamente o estado do seu processo filho usando a syscall wait e waitpid, ambas na lib <sys/wait.h>:
      #include <sys/types.h> #include <sys/wait.h> pid_t wait(int *status); pid_t waitpid(pid_t pid, int *status, int options); A syscall wait espera que ao menos 1 de seus processos filho troque de estado, já a waitpid espera por um processo específico. Como sabemos exatamente qual processo queremos rastrear iremos usar esta call 😀:
      #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <string.h> #include <sys/types.h> #include <sys/wait.h> #include <unistd.h> int main(void) { printf("Spliting work...\n"); pid_t pid = fork(); if (!pid) { int a = 0; for(int i = 0; i < 100000000; i++ ) { a += i*2 + 10 *i; } return 9; } int status; int signal; printf("Waiting child finish work...\n"); waitpid(pid, &status, 0); if (WIFEXITED(status)) { signal = WEXITSTATUS(status); printf("Child exited, status = %s\n", strsignal(signal)); } return 1; } Compile o código acima e execute:
      $ gcc -o work work.c $ ./work Spliting work... Waiting child finish work... Child exited, status = Killed Veja que após a chamada de fork nosso processo filho executa várias iterações e realiza um cálculo (um cálculo totalmente randômico) e após isso retorna 9. Este retorno em questão é apenas por motivos educativos (no artigo anterior falamos de sinais e como eles funcionam). O processo pai usa a syscall waitpid para esperar que qualquer signal seja enviada do pid especificado. Após receber um status é verificado se o fork saiu (WIFEXITED) e se sim, pegamos o signal enviado usando WEXITSTATUS(status da saída) e usamos a chamada strsignal(provida pela string.h) para recuperar uma versão em texto do signal. Nesse caso iremos recuperar o signal "KILLED", pois colocamos 9 apenas por razões educativas.
      Normalmente se tudo ocorreu bem colocamos 0 (inclusive é dessa maneira que sua shell avalia se o programa rodou certo).
      $./work && echo "Filho saiu com 0, tudo certo..." || echo "Filho saiu com 1, algo errado..." No caso acima a nossa shell irá criar um fork do nosso work, executar o nosso programa (que por sua vez também executa um fork mas não entra em questão aqui) e se o signal retornado pelo fork for 0 ele imprime uma mensagem, caso contrario ele imprime uma mensagem de erro, dessa maneira você pode orquestrar um shell scripting usando o própio retorno do processo 😉
      Tente mudar o retorno do fork acima e verifique seu status usando funções providas pela <sys/wait.h>. No exemplo acima usamos apenas a call WIFEXITED e WEXITSTATUS, mas existem várias outras.
      Forks são de extrema importância para criação e gerenciamento de processos e iremos usar forks para que seja possível executar o programa que queremos debugar, dessa maneira o software em questão vai ser filho do nosso debugger, o que nós da total controle sobre o mesmo.
      Comentarios são todos bem vindos e todos os códigos usados estão disponíveis no github! 😀

      Links úteis:
          Process Control
          fork
          wait
          Process State
          Fork Bomb - Cuidado com isso
    • Por void_
      Depois de um bom tempo programando em C e adquirindo uma paixão legítima por Assembly (essa a nem tanto tempo assim, infelizmente), resolvi dar mais uma chance a programação de alto nível. Como já tenho uma boa base em C, achei apropriado partir para o C++, já que nunca me dei bem com Java, contudo os livros não estão me animando muito. Eu comecei lendo o livro oficial do C++ (do Bjarne) e também o C++ Primer, considerado um best seller desde a primeira edição. Foi um sofrimento e tanto ler esses livros. Em ambos foram mais de cinquenta páginas de filosofia verborrágica para começar a entrar no bê-a-bá da linguagem (que obviamente me fez desanimar antes de chegar na metade). Achei esses livros muito mal estruturados. A impressão que passa é que os autores não querem ensinar nada, porque eles fazem questão de deixar o livro o mais enfadonho possível. Não digo que não é importante ensinar a parte "filosófica" da linguagem, mas acredito que seria melhor nivelar entre a prática e a teoria de forma progressiva. Enfim, não sei se sou eu que sou chato e impaciente demais ou se o problema são os livros, porque quando finalmente chega na parte "interessante", a leitura já me drenou toda a energia e vontade de continuar a leitura, aí começam os bocejos, a canseira na mente e na vista, etc. A coisa piora ainda mais porque, quando enfim chega na prática, 50% do conteúdo é herança do C que você (no caso eu) já sabe.
      Outro problema é a desatualização do material em português que temos acesso aqui. Enquanto no estrangeiro o pessoal trabalha com a versão 17, ainda estamos na 11, no máximo 14.
      Abri esse tópico para pedir alguma indicação de algum livro de C++ que fuja das questões que eu citei.
    • Por Candeer
      Olá, neste artigo compartilharei um pouco da minha pesquisa no desenvolvimento de debuggers. No momento estou trabalhando em um protótipo de debugger para Linux, mas nada tão avançado quanto um gdb ou radare (muitas coisas são necessárias para chegar neste nível de maturidade de software).
      O desenvolvimento de debuggers é uma atividade muito interessante, já que, em sua forma mais básica, pode ser resumido em uma série de chamadas de sistema (syscalls) para que seja possível o controle do processo a ser depurado (muitas vezes chamado de debuggee) e de seus recursos, mas não vamos colocar a carroça na frente dos cavalos e vamos em partes.
      Antes de começarmos a discutir detalhes mais específicos acerca da depuração de processos, é necessário um entendimento básico de como os mesmos se comunicam na plataforma que vamos desenvolver o tal debugger, no nosso caso, UNIX-like.
      Inter-process communication (IPC)
      IPC é uma forma que processos podem utilizar para se comunicar dentro de um sistema operacional. Existem diversas maneiras de comunicação: via sinais (signals), sockets, etc, mas para a criação de um debugger é apenas necessário usar sinais para a execução.
      Sinais funcionam como uma notificação que pode ser enviada à um processo específico para avisar que algum evento ocorreu.
      É possível também programar um processo para reagir aos sinais de maneira não padrão. Se você já teve um uso razoável de Linux, você provavelmente já enviou sinais à um processo. Por exemplo, quando você aperta Ctrl+C para interromper a execução de um processo, é enviado um sinal do tipo SIGINT, que nada mais é que uma abreviação para Signal Interruption. Se o processo em questão não está preparado para reagir a este sinal, o mesmo é terminado. Por exemplo, considere o seguinte código:
      #include <stdio.h> int main(void) { while(1) printf("hi\n"); return 0; } Ao compilar e executar o código acima e apertar Ctrl+C, o mesmo encerra como esperado, porém podemos verificar que um SIGINT foi enviado usando a ferramenta ltrace, que além de listar chamadas a bibliotecas também mostra os sinais enviados ao processo:
      $ gcc -o hello hello.c $ ltrace ./hello Rode o comando acima e aperte Ctrl+C para verificar o sinal enviado!
      Programando reações a sinais
      A capacidade de enviar sinais a um processo nos dá a possibilidade de saber o que esta acontecendo com algum processo específico que estejamos depurando.
      Para programar reações a algum tipo de sinal, podemos incluir a biblioteca signal, para que possamos usar a função e estrutura (struct) sigaction:
      struct sigaction { void (*sa_handler)(int); void (*sa_sigaction)(int, siginfo_t *, void *); sigset_t sa_mask; int sa_flags; void (*sa_restorer)(void); };  
      int sigaction(int signum, const struct sigaction *act, struct sigaction *oldact); A struct sigaction nos permite adicionar handlers (tratadores) para nossos sinais, enviando o endereço de nossa função que realiza algum tipo de ação baseada no sinal enviado para o campo sa_handler(sigaction handler).
      Um handler neste contexto nada mais é que uma função que sempre vai ser chamada quando um dado sinal for enviado, dessa maneira podemos executar alguma ação quando recebermos um sinal.
      Já a função sigaction recebe o número do sinal, porém uma série de macros já são pré-definidas e podemos passar como argumento apenas o nome do sinal, como SIGINT por exemplo. A função recebe também a referência da struct previamente definida (struct sigaction) e, caso precise trocar um handler por outro, também recebe no último argumento (oldact) o handler anterior, para que possa ser feita a troca pelo novo. Como não é o nosso caso, vamos passar NULL neste último argumento.
      O código abaixo simula um uso de handlers de sinais, que imprime uma mensagem quando um sinal é enviado:
      #include <stdio.h> #include <signal.h> #include <unistd.h> // sleep void simple_handler(int sig) { printf("Hello SIGINT\n"); } int main() { struct sigaction sig_handler = { simple_handler }; sigaction(SIGINT, &sig_handler, NULL); sleep(1000); return 0; } Ao executar o código acima, aperte Ctrl+C e veja que será imprimido a mensagem do nosso handler!
      O manual da signal contém uma tabela com todos os sinais usados por sistemas POSIX.
      Para enviarmos sinais facilmente em sistemas UNIX podemos usar o comando kill:
      $ kill -l O comando acima mostra todos os sinais e seus respectivos números, com isso podemos fazer algo interessante. Por exemplo, rode o código acima em um terminal separado e use o kill para se comunicar com o seu processo, assim:
      $ ps ax | grep simple_signal $ kill -2 <pid> Primeiro buscamos o PID do nosso processo então usamos o kill que espera como primeiro argumento numero do sinal (listado em kill -l) e o segundo o PID do processo alvo.
      Ao enviar o sinal, podemos ver que o nosso código reage aos sinais que foram associados a um handler especifico! Tente criar handlers para vários sinais e teste usando o comando kill. 😃
      Abaixo um código para demonstrar um uso real de um software que escreve dados aleatórios nos arquivos temporários e antes de uma finalização abrupta, é deletado o que foi usado:
      #include <stdio.h> #include <signal.h> #include <unistd.h> // Log errors void fatal(const char* err_msg) { fprintf(stderr, "Error: %s\n", err_msg); } // Escreve algo random em um arquivo void random_work() { FILE* temp_files = fopen("/tmp/foo", "w"); if (!temp_files) { fatal("Cant open foo!"); } else { fprintf(temp_files, "%s", "Random random random!\n"); fclose(temp_files); } } // Handler para deleta arquivos criados void handler_termination(int sig) { // Verifica se existe usando a function access // Caso existe usa a syscall unlink para remover o arquivo if (access("/tmp/foo", R_OK) < 0) return; unlink("/tmp/foo"); printf("All clean! closing...\n"); } int main() { //struct sigaction que recebe a function handler_termination como valor do seu handler struct sigaction interruption_handler; interruption_handler.sa_handler = handler_termination; // Syscall sigaction que associa o nosso handler para um sinal especifico // O ultimo campo NULL, espera o handler anterior para que posso tornar o novo handler o default sigaction(SIGINT, &interruption_handler, NULL); random_work(); sleep(1000); handler_termination(0); return 0; } Dica: Dê uma olhada na tabela de sinais e crie handlers para o mesmo código acima!
      Para a construção do nosso debugger iremos focar mais no signal SIGTRAP, para que seja possível detectar se o nosso processo sofreu uma "trap" da CPU. Uma trap ocorre quando acontece alguma interrupção síncrona na execução, que faz o processo ficar parado até que o sistema operacional execute alguma ação. Isto será usado para implementar e interpretar breakpoints. Veremos tudo isso com mais detalhes em breve!
      Sinta-se livre para comentar e sugerir correções e melhorias. Até o próximo artigo!
      Links úteis:
      Syscall IPC CERO 11 – Linux Syscalls Syscalls, Kernel mode vs User mode Programação em C
×
×
  • Criar Novo...