Jump to content
A Conviso está em busca de profissionais de tecnologia para trabalhar com AppSec! Você é um deles? Inscreva-se aqui! ×
  • Profissionais de segurança levantam a bandeira amarela da saúde mental


    Bruna Chieco
     Share

    Não conseguir descansar a mente ou se desligar do trabalho, se sentir mais acelerado, não conseguir dormir, pensar somente em trabalhar… esses são alguns dos sintomas detectados em alguém que está entrando em um processo de Síndrome de Burnout. Os sintomas básicos são um estresse constante, o pensamento acelerado, um esgotamento mental, e, mesmo quando a pessoa não está fazendo nada, se sente cansada. 

    Segundo reportagem da Agência Brasil, a síndrome foi incluída na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2019. A matéria traz ainda dados da OMS, que apontam que, no Brasil, 11,5 milhões de pessoas sofrem com depressão. A Síndrome de Burnout vem sendo cada vez mais comum dentro das empresas, e profissionais têm pedido afastamento de seus empregos por conta de doenças mentais relacionadas ao trabalho. 

    Na área de segurança, a pressão do dia a dia pode agravar essa situação. Muitas vezes os profissionais estão enfrentando um processo de estresse alto que pode levar a consequências físicas mais graves e nem percebem, e é importante detectar o quanto antes se essa rotina está afetando a saúde – e evitar que a situação piore. "A área de segurança tem, geralmente, uma carga muito intensa de trabalho. Não existem 8 horas de trabalhos diários, 40 horas semanais, até porque a maior parte das mudanças são feitas em janelas de atendimento durante o dia e mudanças à noite, quando há disponibilidade para alterações nos sistemas sem impacto ao usuário final. O que torna o trabalho com segurança da informação e privacidade tenso é toda a pressão que a responsabilidade da atividade traz para o dia a dia, principalmente pelo vínculo com a saúde do negócio", explica Eva Pereira, CMO, Head Security Awareness e Responsabilidade Social da IBLISS Digital Security e Team Coach de Alianças, Marketing e Privacidade da WOMCY. 

    Eva tem mais de 20 anos de experiência no mercado, atuando com segurança desde 1997. "Sempre trabalhei em média 17 horas por dia. Em um somatório de muitos anos, isso veio plantando uma sementinha que não foi legal", conta. "Quando a gente é muito jovem e tem muita saúde, acha que virar uma ou duas noites sem dormir não tem problema, mas fazer isso durante anos tem uma consequência", alerta.

    Ela diz que a tensão de manter um ambiente seguro e defender um projeto em meio a tantos outros em que a companhia deve tratar, acumula uma dinâmica em uma pessoa que sofre pressão por entregar resultados e acaba gerando uma falta de equilíbrio entre bem-estar e vida social. "Você vai se consumindo no trabalho. Tudo que é excesso traz consequências. Isso formou uma bola de neve, além do acúmulo de funções ou ter que dar conta de tudo, a falta de ir a um parque, andar descalça, um convívio social, foi se somando", destaca. 

    Eva.jpeg.ca22088dacb20285dced84f94d2cf008.jpeg

    "Você vai se consumindo no trabalho. Tudo que é excesso traz consequências" - Eva Pereira

    Um dia Eva se deu conta que, além de não conseguir dormir, pois o corpo estava cansado e a mente não silenciava, a questão física ficou mais evidente. "Eu tive episódios de dores de cabeça por mais de 15 dias". Uma massagista da própria empresa em que trabalhava na época a alertou: "Toma cuidado, seu corpo cansou de te avisar que algo não está bem". No mesmo dia, Eva foi parar no hospital. "Eu apaguei, não estava falando coisa com coisa, estava confusa, delirando. Fui parar em um hospital, onde soube que estava tendo um princípio de AVC".

    Eva conta que não conseguia produzir muito mais depois disso. "É como se eu quisesse passar a quinta marcha na estrada, o carro pedia, mas eu não conseguia. Perdi o domínio do meu corpo, ele precisava descansar", diz Eva, que iniciou um tratamento natural, retomando suas funções aos poucos ao longo dos anos. "Precisei trocar de emprego, dar uma reviravolta na minha vida e buscar o natural para equilibrar minha rotina. Foram quase 2 anos para retomar à normalidade da capacidade que eu tinha de agilidade".

    Demanda diária – Uma pesquisa do Chartered Institute of Information Security (CIISec) sobre profissionais de segurança aponta que o estresse no local de trabalho pode ser grande, e o número de horas de trabalho nesta área aumentou durante a pandemia de Covid-19. Em média, os profissionais de segurança trabalham 42,5 horas por semana, mas alguns trabalham até 90 horas semanais, o que é preocupante, considerando que o esgotamento é destacado como um grande problema da profissão pelo relatório.

    "Quem escolheu a área de tecnologia já sabia onde estava se metendo. Durante a faculdade já começamos a ter essa visão, ou logo nos primeiros meses de trabalho sabemos que não tem horário, tem uma carga pesada de trabalho, de entrega, de cobrança, de necessidade de se manter atualizado", conta Jorge (nome fictício, pois o profissional preferiu não ser identificado)

    Com mais de 25 anos dedicados à tecnologia, e desses, pelos menos 17 na área de segurança da informação, Jorge atua como Diretor de Segurança e lida no dia a dia com orçamentos limitados, o que faz com que as escolhas sejam difíceis. "Você dorme com aquilo na cabeça, porque fica ciente que deixou algo descoberto, e isso tira seu sono", destaca. 

    "Você não vai conseguir resolver tudo, não tem super-homem, não tem mulher maravilha.

    A área de segurança não é para heróis", pontua Jorge

    Jorge diz que ao passo em que um atacante vai buscando as brechas e vulnerabilidades, a diversidade de tecnologias e de componentes deixa a empresa cada vez mais exposta. "A transformação digital por si só já te expõe a riscos maiores. Por outro lado, você, como profissional de segurança, precisa viabilizar o negócio e muitas vezes vai dormir com a ciência de que deixou vulnerabilidades descobertas e que alguém pode se aproveitar delas".

    Apesar da pressão diária, o profissional conta que é preciso saber lidar bem com essas adversidades do dia a dia e saber delegar, sem querer carregar tudo nas costas. "Você não vai conseguir resolver tudo, não tem super-homem, não tem mulher maravilha. A área de segurança não é para heróis. É preciso saber dividir para não se sobrecarregar", indica.

    Para quem trabalha na área de segurança, responder a um incidente é um momento estressante de muita pressão. Mas para Anchises Moraes, que é profissional da área de segurança e colaborador do Mente Binária, é possível encarar com mais leveza e uma dose de satisfação. "Para trabalhar na área é preciso ter a ciência de que esse tipo de situação pode acontecer, mas sem que isso te prejudique. É ok também mudar de trabalho se não estiver aguentando a pressão. É preciso priorizar a saúde. Se você não priorizar sua saúde, ninguém vai fazer isso por você", destaca. 

    bethany-legg-75nbwHfDsnY-unsplash.thumb.jpg.bd5899e019cf68d573a378524fea6bcb.jpgPrimeiros sintomas – "Eu já tinha passado isso uma vez por um afastamento de trabalho quando eu trabalhava em uma grande rede varejista, achando que era um super-herói. Fiquei 80 dias afastado, mas quando fui parar no ambulatório da empresa, e depois no hospital, eu estava em um estado muito crítico", diz Jorge.

    Esse episódio o ajudou, no ano passado, a detectar alguns comportamentos e sintomas parecidos com os que teve naquela época. "Comecei a perceber, em junho, que as coisas estavam estranhas, mas achei que era por conta da pandemia, já que todo muito estava impactado de alguma forma". Ele diz que esse período de isolamento social agravou um pouco mais a situação, por conta da falta de um contato mais próximo das pessoas. "Apesar de ser um cara de tecnologia, eu gosto mais de gente do que de máquina. E eu comecei a sentir falta de happy hour, almoço, olho no olho, uma conversa de corredor. Achei que estava mal por causa disso, e deixei passar". 

    O primeiro sinal de alerta foi quando Jorge chorou no final de uma reunião de equipe. "Fiquei com vergonha, fechei a câmera, e algumas pessoas perceberam, mandaram mensagem. Mas isso já foi um sinal de atenção. Em agosto, eu percebi outros sintomas, como não querer sair da cama, tomar banho, comer... a cabeça estava longe, eu não lembrava o que tinha sido conversado nas reuniões, minha produtividade caiu demais, e comecei a esquecer coisas importantes. Isso impactou minha rotina", relata Jorge. 

    Ele decidiu marcar uma consulta com um psicólogo. Mas após um dia muito intenso de trabalho, Jorge percebeu que realmente precisava de uma pausa. "Um pouco antes da consulta, estourou uma crise em um dos clientes, um incidente grave de segurança. Trabalhei direto, fazendo poucas pausas. Na segunda-feira de manhã, em uma reunião para falar sobre o problema, eu desabei a chorar e acabei desabafando com meu colega. No mesmo dia, o psicólogo me encaminhou ao psiquiatra".

    Jorge teve que lidar ainda com mais um fator, que é o medo e a vergonha de se expor em relação a essa dificuldade. "Eu demorei mais de um mês para aceitar que estava doente. Mesmo com o diagnóstico, eu só comentei sobre isso com minha esposa e com o RH da empresa. Demorei para falar sobre isso com as pessoas mais próximas, que foram poucas, e só depois de uns 3 ou 4 meses que comecei a falar mais abertamente. Eu tinha vergonha e medo dessa exposição. Depois eu entendi que todo mundo tem suas vulnerabilidade e lidar com isso é um sinal de força, e não de fraqueza". 

    Segundo Fabiane de Faria, psicóloga com especialização em Terapia Cognitivo Comportamental, é comum ter medo de falar sobre o assunto, pois existe um estigma quando se fala em doenças psiquiátricas. "Parece que isso demonstra uma certa fraqueza, erroneamente, ou uma certa inabilidade no seu trabalho, que também não tem nada a ver". 

    Pandemia – "Muitas pessoas que já estavam tendenciosas a ter Burnout acabaram tendo porque a pandemia foi uma aceleração, um caminho para tudo aquilo que nos dificultava", diz Fabiane. A psicóloga destaca que para quem tinha tendência a ter ansiedade ou a deprimir, a pandemia serviu como um gatilho para iniciar uma série de movimentos. 

    O especialista em segurança da informação e Head de Resposta a Incidentes na Tempest, Thiago Araújo, notou que nesse período de home office imposto por conta do isolamento social estava trabalhando muito mais do que em um ambiente normal do dia a dia do escritório. "Em casa ficamos sentados muitas horas trabalhando, então comecei a ter problemas físicos na coluna, na perna, e problemas de ansiedade, além de uma fadiga extrema e dificuldade em me concentrar, insônia... Isso foi piorando ao longo da pandemia, e nossa área vem trabalhando muito por conta de um aumento de incidentes", conta. 

    Thiago.thumb.jpeg.12d5be695a90c7aa364e4647a70c9c95.jpeg

    "Hoje eu tento não pegar muitos trabalhos estressantes" - Thiago Araújo

    Em uma semana estressante de escrever relatórios, um cliente acionou a equipe de Thiago na madrugada, e ele começou a trabalhar mesmo não dormindo bem. "Nesse dia eu entrei em desespero, em pânico, eu fiquei paralisado. Minha esposa viu e me levou pra cama. No dia seguinte eu liguei para a psicanalista e avisei os colegas que eu não conseguiria mais trabalhar no caso. Eles entenderam perfeitamente", diz. 

    Thiago relata que não havia ocorrido nada parecido com ele anteriormente, apesar de ter passado por alguns momentos de ansiedade. "Passei o ano de 2020 todo com esses episódios até esse colapso. A gente acaba não percebendo, acha que no dia seguinte estará tudo bem, mas só piora". 

    Ele conta que teve apoio de sua empresa e não ficou afastado legalmente, mas saiu das tarefas mais estressantes de seu trabalho. "Continuei trabalhando normalmente, gerindo a equipe, mas fora do cenário, sem pegar casos extremos. Hoje eu tento não pegar muitos trabalhos estressantes, vou dividindo para a equipe, e chega um momento em que eles trabalham sozinhos. Depois eu ajudo em um relatório, ou no entendimento de uma evidência, tratamento de um caso".

    Papel da empresa – Trazer uma consciência mais humana ao trabalho é resultado de um processo de recuperação, conta Eva. "Eu estudo comportamento humano hoje, e vejo que quanto mais humanizado é o contato com o profissional, melhor resultado eu tenho dele. E o que as empresas precisam não é só cobrar metas, e sim dar voz de uma forma estruturada para que seus colaboradores se expressem, trazendo sua essência e diversidade de opiniões. Se a empresa faz isso, ela tem muito mais futuro e consegue crescer mais forte, além de colaboradores felizes", diz. 

    Eva ressalta a importância de estar em um ambiente de trabalho onde o colaborador é reconhecido dentro de sua importância. "É importante entender que se chegamos em um estado desse, precisamos de apoio de empresas com propósito, que se preocupam efetivamente com o colaborador, e não com um número apenas. As empresas são feitas por pessoas. É preciso proporcionar uma qualidade de vida para que a situação não chegue num ponto de insegurança mental. E se você chegar nesse ponto, que a empresa possa te apoiar na sua recuperação, pois isso é fundamental". 

    Em seu momento de crise, Jorge se sentiu apoiado por sua empresa. "A empresa continuou me pagando integralmente, colocou outra psicóloga à disposição, com quem eu conversava periodicamente, e ficou focada na minha recuperação. Toda vez que eu ensaiava voltar, eles falavam pra eu voltar bem. Na minha experiência, a empresa foi super diferenciada. E não sei se essa é a realidade da maioria delas", destaca. 

    Tratamentos e recuperação – Tratamento é a primeira coisa, o melhor e inevitável caminho para quem quer melhorar, diz a psicóloga Fabiane. Segundo ela, é importante também entender os limites, pois não é falta de vontade, não é desmotivação, nem desinteresse da pessoa que está passando por essa situação. "Na depressão, realmente tem dias que a gente fica muito para baixo, sem vontade de fazer nada, com o humor deprimido. Conseguir entender as nossas limitações, aceitar esses dias, não deixar que eles nos deixem piores e tentar recomeçar é essencial", diz. 
     
    Procurar não ficar focado somente no trabalho também faz parte de um processo de recuperação ou prevenção ao Burnout, diz a psicóloga. "O home office tem deixado as pessoas 100% focadas no trabalho, o tempo todo trabalhando, ligado no celular, no e-mail. Tentar focar em outras coisas, ter uma rotina de trabalho com horários certos, dividir quais são os horários de comer, estar com a família, ter tempo para você, para a sua atividade física… esse é o principal caminho para manter uma mente sã e tranquila", indica.

    Anchises.thumb.jpeg.a3d9c50aff9d72a1b7a109cafd6a22d9.jpeg

    "Temos que tomar cuidado, e se não buscarmos o autocontrole, o corpo vai reagir em algum momento" - Anchises Moraes

    Anchises diz que adotou um estilo de vida mais leve e saudável após passar por alguns episódios de estresse durante a pandemia. "Já tive vários momentos que impactaram minha saúde. Meu corpo reagiu e isso foi um sinal de alerta. Temos que tomar cuidado, e se não buscarmos o autocontrole, o corpo vai reagir em algum momento. Pode ser de forma branda ou mais grave. No meu caso, todas as vezes que tive essa percepção tentei desacelerar, diminuir meu estresse com meu trabalho para voltar a ter um equilíbrio", conta.

    Ele ressalta que, na época de pandemia, ao mesmo tempo que não sofria tanto por estar acostumado com o trabalho remoto e ter consciência que é uma fase passageira, chegou um momento que ficou exausto de tanto ficar em casa. "A maioria das minhas opções tradicionais de lazer foram cerceadas. Fiquei limitado. E por isso decidi, este ano, fazer um curso de francês para aprender a relaxar e me desconectar do trabalho, e adotei dois gatinhos para ter uma companhia", diz Anchises.

    Foi isso que Eva também fez após o episódio grave de Burnout relatado anteriormente. Hoje ela aprendeu a silenciar sua mente e a equilibrar trabalho com bem-estar e vida pessoal. Ela relata que na época de sua crise, a vontade foi de abandonar a carreira e os anos de trabalho com segurança. "Quando eu parei para pensar melhor, eu vi que não foi a tecnologia que me fez passar por isso, e sim a ausência de segurança mental para conseguir lidar com a situação no momento, por excesso de pressão e falta de apoio. Por que eu sempre acordei todos os dias? Para, de alguma forma, trabalhar por uma sociedade mais segura. E se eu não me sinto segura em levar meu propósito para os lugares, eu preciso procurar um lugar onde esse propósito se encaixe", destaca Eva. "Meu propósito de vida hoje é cuidar de mim".

    Jorge também conta que está mais focado em cuidar do corpo e da mente, fazendo exercício físico e aulas de violão junto com seu filho. "Mudei a alimentação, comecei a fazer atividades que me dão prazer. E acredito que o autoconhecimento é importante para qualquer área da vida, não somente para quem está em depressão e Burnout", diz. Da mesma forma, Thiago relata que hoje está bem melhor, fazendo terapia, e indica às pessoas a buscarem ajuda antes do corpo entrar em colapso. "Não tenha vergonha", diz.

     Share


    User Feedback

    Recommended Comments

    • Apoiador Byte

    Conteúdo excelente! Muito bacana os relatos e se eu pudesse complementar, comentando o que funcionou pra mim, é justamente a noção de que sozinhos não chegamos longe e demandas/preocupações/responsabilidades devem ser divididas até mesmo para que sejam corretamente endereçadas. A percepção de que nossa carreira é uma maratona e não uma corrida de 100m, também é muito importante. Se gastar todos os recursos no inicio, dificilmente completará a prova com um bom aproveitamento.

     

    • Agradecer 1
    • Curtir 2
    Link to comment
    Share on other sites



    Join the conversation

    You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

    Guest
    Add a comment...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...