Jump to content
  • Mulheres ganham mais espaço em TI e iniciativas buscam maior representatividade


    Augusta Ada Byron King, atualmente conhecida como Ada Lovelace, é considerada a primeira programadora do mundo. A matemática e escritora inglesa é reconhecida principalmente por ter escrito o primeiro algoritmo para ser processado por uma máquina nos anos 1800. Séculos depois, a representatividade das mulheres nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática ainda é baixa no mundo inteiro. Segundo levantamento da plataforma digital de recursos humanos Revelo, obtido com exclusividade pelo CNN Brasil Business, em 2020, de todas as vagas da área de tecnologia da informação oferecidas, 12,2% foram ocupadas por mulheres. Em 2017, as mulheres responderam por 10,9% das vagas. 

    Quando afunilamos para o segmento de cibersegurança, os números também não são muito representativos, mas embora o número de homens no segmento superem o de mulheres na proporção de três para um, mais mulheres estão entrando na área e buscando posições de liderança. De acordo com o (ISC)2 Cybersecurity Workforce Study de 2018, as mulheres que trabalham com segurança cibernética no mundo representavam cerca de 24% da força de trabalho total naquele ano. Em 2017, apenas 11% dos entrevistados do estudo eram mulheres. Impulsionadas por níveis mais elevados de educação e mais certificações, mulheres da área de segurança cibernética estão se afirmando na profissão. 

    A pesquisa aponta que, em comparação com os homens, percentagens mais altas de mulheres profissionais de segurança cibernética estão alcançando cargos como diretor de tecnologia (7% das mulheres contra 2% de homens); vice-presidente de TI (9% contra 5%); diretor de TI (18% contra 14%) e executivo C-Level (28% contra 19%). O cenário abre portas para maior diversidade dentro das companhias de tecnologia e na área de cibersegurança, mas ainda é preciso um trabalho de educação e incentivo para que mais mulheres entrem no segmento. 

    Nesta terça-feira, 13 de outubro, se comemora o Ada Lovelace Day, uma celebração anual das mulheres que trabalham nos setores de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, geralmente dominados pelos homens, e para celebrar e estimular o engajamento no assunto, conversamos com profissionais que atuam no segmento. Elas relataram a motivação para atuar na área, a importância de se especializar, além das dificuldades encontradas no caminho. 

     

    CarolBozza.thumb.jpeg.5cad45e82f56ef67794dfdf6c0a310d8.jpegCarolina Bozza, Bacharel em Ciência da Computação, trabalha há 15 anos em segurança da informação, atualmente como Diretora Regional de Vendas para América Latina. "Das áreas de ênfase em meu curso de graduação, redes e segurança me pareceu a mais interessante, desafiadora e, obviamente, a que melhor me prepararia para o mercado de trabalho, pois as demais ênfases eram muito focadas na área acadêmica. Foi assim, então, que apliquei para o processo seletivo do laboratório ACME!, focado em pesquisas no segmento de segurança, da própria universidade, onde escrevi minha monografia focada em Resposta a Incidentes e Políticas de Segurança", conta.

    Segundo ela, existe ainda um certo preconceito com o público feminino em muitas áreas, e tecnologia é apenas uma delas. "Não podemos negar que mesmo em 2020, existe um ranço do passado, da época em que mulher não trabalhava, não estudava e não era valorizada como profissional. Isso está acabando, mas ainda temos um árduo caminho pela frente", diz Carol. Ela acredita que a maior barreira hoje em dia é a que a própria profissional cria para si. "Muitas, com receio da rejeição, nem tentam por achar que não serão selecionadas, não aplicam por se acharem "menos", desistem por já terem tomado alguns 'nãos'. Essa carga histórica ainda gera muita insegurança na cabeça de muitas mulheres e é isso que precisamos combater", destaca. 

     

    teca.thumb.jpeg.286f30637d45bb09da61ee844b086747.jpegRepresentatividade – O fato do número de mulheres ainda ser pouco representativo nessas carreiras acaba sendo intimidador, ou no mínimo causa estranheza. Maria Teresa Aarão, conhecida como Teca, trabalha em segurança da informação desde 1995, sendo que entrou na área de tecnologia em 1974, e destaca que quando fica muito difícil a entrada em uma área, é natural procurar outros espaços. "É difícil encontrar um hacker famoso mulher. Existem, mas não tem a mesma repercussão que os homens em suas organizações", diz.

    Empreendedora na área de certificação digital, Teca dá consultoria e conta que as dificuldades e barreiras para atuação de mulheres no segmento são as mesmas em qualquer outra área de engenharia e administração. Apaixonada pela área, Teca não se intimidou com a baixa representatividade feminina e buscou se aprimorar. "Somos poucas e isso causa estranheza em algumas situações. Mas já mudou bastantes nos últimos 10 anos. Nos anos 90, causava estranheza uma mulher instalando roteadores, buscando cabos embaixo da mesa, entrando e permanecendo em data centers gelados configurando equipamentos. Hoje, percebo que existe uma naturalidade maior, mais igualdade nas tarefas operacionais. Mas muito pouco mudou nas áreas de administração" pontua. 

    Teca possui vasta experiência na área, desde consultoria autônoma em desenvolvimento de software, trabalhando ainda em um representante de fabricantes de equipamentos de comunicação até chegar aos produtos de proteção de rede, como firewalls, filtros para e-mail, varredores de vulnerabilidades de redes locais e Internet. "O próximo passo foi atuar com soluções de gestão de identidade e autenticação, quando então mergulhei apaixonada na disciplina de criptografia. De lá para cá, não fiz outra coisa a não ser aprender mais sobre isso e atuar com produtos e aplicações", destaca.

     

    Programas de incentivo – Estudar, ir atrás e se aprimorar pode ser o primeiro passo para que esse paradigma de poucas mulheres no segmento se quebre. Carol Bozza ressalta que ao olhar para um determinado segmento com poucas ou quase nenhuma mulher, as aspirantes a uma vaga nesse determinado segmento acabam pensando "isso não é pra mim", e muitas desistem. "Se a proporção homem/mulher fosse menos discrepante, acabaria com esse estigma, mas não existe profissão para mulher ou pra homem; existe profissão para funcionário dedicado, comprometido, competente, focado e obviamente, que entrega o que a empresa espera como resultado", diz.

    Para estimular a entrada de mulheres na área de cibersegurança e promover mais estudo e conhecimento, há no Brasil iniciativas importantes, entre elas o Woman in Cybersecurity (Womcy) e o Cyber Security Girls. "Sou lider Brasil do Womcy para ações de mentoria. Junto com outros voluntários e voluntárias, nosso trabalho é ajudar jovens profissionais e estudantes a engajarem em suas carreiras na área de cibersegurança. Além dessa frente, o Womcy possui várias outras focadas no desenvolvimento do mercado de cibersegurança na América Latina", diz Carol Bozza.

     

    Womcy

    AndreaThome.thumb.jpeg.6aa8882a711f2c22cb2a5b9363d12b7e.jpegPara conhecer mais sobre a iniciativa, conversamos com Andréa Thomé, líder do capítulo brasileiro do Womcy. Com 26 anos de carreira em consultoria, Andréa começou sua atuação em segurança de informação em uma empresa de auditoria, expandindo para governança, risco e compliance. Há 6 anos, começou a me engajar em causas feministas, trabalhando com mentoria no Rede Mulher Empreendedora e no grupo Mulheres do Brasil. "Em outubro do ano passado, recebi convite da fundadora do Womcy, Leticia Gammil, para atuar no Brasil. Quando ela foi buscar uma ONG para mulheres de cibersegurança na América Latina, não encontrou, e assim teve a ideia de criar a ONG", conta Andréa. 

    Assim, em janeiro de 2019 o Womcy foi lançado, chegando ao Brasil em outubro do mesmo ano. "Hoje, já somos mais de 650 voluntárias e voluntários. Trabalhamos com empoderamento da mulher no segmento, aumentando o quórum de mulheres no mercado e reduzindo o gap de conhecimento. Osso é feito em três vertentes: nas empresas, nas universidade e nas escolas", explica.

    Nas empresas, o Womcy oferece programas, palestras e mentorias, além de também entrar em contato com os RHs para divulgar vagas. Para as faculdades, a iniciativa é levar palestras e mentorias de carreira. Já para as escolas, o Womcy Girls, voltado a meninas de  7 a 14 anos, conta com palestras de mulheres que atuam em carreiras de ciência, tecnologia e matemática. Já o Womcy Geek, direcionado a um público de 7 a 17 anos, fala sobre riscos e ameaças do mercado para essa juventude que já nasce digital. Hoje, a atuação está mais focada no mundo empresarial em função da pandemia. "Temos uma liderança forte montada para cada programa, com uma líder Brasil e pelo menos três a quatro líderes de apoio para atender os voluntários que se engajam nas ações, e os membros que participam", conta Andréa.

    A estrutura do Womcy ainda conta com seis equipes: marketing; jurídica; voluntárias; membership para atrair voluntários e membros; aliança com programa de parceria; e o Womcy He for She, uma rede de homens comprometidos com a causa. "Quando assumi a  liderança do Womcy no Brasil, vi que não chegaríamos a lugar algum se trabalhássemos de forma separatista. Sabemos que há homens que precisam ser educados em relação à mulher, mas muitos querem trabalhar em prol desse projeto. E eles simplesmente chegam e trabalham nesses programas em benefício das mulheres", destaca. 

     

    Cyber Security Girls

    2502151_PaulaPapis.thumb.png.29f45f383c8bdf30231323a6698d9fcf.pngOutro programa que tem o mesmo objetivo de impulsionar a atuação de mulheres na carreira de segurança da informação é o Cyber Security Girls, que atua em parceria com o Womcy na causa no Brasil. Fundada em 2018 por Paula Papis e Erick Ferreira, a comunidade tem o intuito de trazer mais mulheres para a área de cibersegurança. 

    Paula Papis trabalha em TI há mais de 20 anos, e em segurança nos últimos 7 anos, e destaca que sempre foi a única mulher em muitas situações de sua carreira. "Hoje eu atuo em uma empresa multinacional que tem uma preocupação grande em trazer mulheres, mas ainda não tem os 50%, principalmente em cargos de liderança. Esse sempre foi um questionamento nosso, pois é uma área interessante, e todo dia aprendemos coisas novas. Temos boa perspectiva de empregabilidade, e muitas vagas abertas não são preenchidas. Diante dessa inquietação, resolvemos fundar a comunidade", conta Paula.

    O Cyber Security Girls conta com três principais frentes: um programa de mentoria, para o qual são selecionadas pessoas que estão começando na área, fazendo um recorte social especialmente para que não tem uma base educacional forte. "Damos preferência para quem não teve oportunidade", destaca Paula. A segunda vertente é um canal no Youtube que aborda a questão da representatividade, com mulheres que já têm uma carreira na área para contarem como foi esse desenvolvimento, inspirando as meninas que estão começando. "Trazemos temas técnicos, mas com o viés da mulher que conseguiu se destacar em uma área que não tinha experiência". 

    Uma terceira vertente é participação em evento. "Isso aconteceu não de forma muito planejada, pois como não temos mulheres praticamente participando de eventos, os próprios organizadores nos procuraram para participar. Começamos a separar temas, e as meninas da primeira turma de mentoria palestraram em vários eventos, cada uma com um tema. São pessoas iniciantes e é bom para ganhar o traquejo de palestrar, pois no dia a dia das empresas, será necessário defender suas ideias", diz.

    Diante da pandemia, a comunidade se adaptou para um ciclo de mentoria online e fará uma nova seleção aberta, exclusivamente para mulheres. "Ficamos muito felizes em conseguir despertar esse interesse em pessoas de irem pra área e conseguirem se desenvolver. Abrimos 20 vagas para a segunda turma, e estamos na faixa de 14 pessoas. A ideia não é o volume, e sim ficar mais próximo para justamente dar um acompanhamento melhor". Para participar, é necessário ter o mínimo de conhecimento em tecnologia.
     

    Desenvolvimento da área – A importância do trabalho dessas comunidades, contudo, está principalmente em reduzir o gap que existe na área de segurança de informação. "Eu sempre busquei na minha carreira olhar para o mercado. Eu olhava para a empresa e via se o mercado está legal e tem futuro. Em segurança foi assim, comecei a trabalhar em uma empresa que já tinha um pé nessa área, e despertou meu interesse. Mas cargos de gestão e de liderança tem menos mulher, falta representatividade, e isso vem muito da educação que recebemos. Todas essas iniciativas são importantes para justamente conseguir equalizar", destaca Paula. 

    Andréa reitera que essa não é uma questão que pode ser ignorada. "Não dá pra gente ignorar que a mulher é minoria nesse segmento. Temos que trabalhar em prol de mais diversidade de gênero, raça, cor, classe social. Quem não pensar nisso vai estar fora do mercado nos próximos anos. Temos que olhar para ser inclusivo, trazer oportunidades para as pessoas e fazer o bem para quem precisa", complementa. 

    Edited by Bruna Chieco


    User Feedback

    Recommended Comments

    There are no comments to display.



    Join the conversation

    You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

    Guest
    Add a comment...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...