Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'desenvolvedores'.

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Supporter area
    • Tools of the Trade
    • Finance transparency
  • MBConf
    • MBConf v1
    • MBConf v2
    • MBConf v3
  • Mente Binária
    • General
    • Computer Architecture
    • Certifications
    • Quantum computing
    • Cryptography
    • Challenges and CTF
    • Hardware Hacking
    • Electronics
    • Conferences
    • Forensics
    • Games
    • Data privacy and laws
    • Code breaking
    • Networking
    • Pentest
    • Speak to us!
    • Software releases
  • Career
    • Study and profession
    • Jobs
  • Reverse Engineering
    • General
    • Malware Analysis
    • Firmware
    • Linux and UNIX-like
    • Windows
  • Programming
    • Assembly
    • C/C++
    • Python
    • Other languages
  • Operating Systems
    • GNU/Linux and UNIX-like
    • Windows
  • Segurança na Internet's Discussão

Categories

  • Tech basics
    • Text comprehension
    • English
    • Mathematics
  • Computing Basics
    • Lógica de Programação
    • Computers Architecture
    • Cryptography
    • Data Structures
    • Network
    • Operating Systems
  • Specifics
    • SO Internals
    • Web
    • Python
    • Javascript
    • Infrastructure
    • Go
    • Reverse Engineering
    • DevOps
    • C/C++
    • Log Analysis

Categories

  • Crackmes
  • Documentation
  • Debuggers
  • PE tools
  • Books
  • Util
  • Packers
  • Unpackers
  • Virtual Machines

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


GitHub


Twitter


LinkedIn


Website

Found 1 result

  1. Virar um desenvolvedor de jogos pode ser o grande sonho dos apaixonados por games. São esses os profissionais que projetam e criam jogos para computadores, celulares e consoles, se envolvendo desde a concepção até a execução do projeto junto a uma equipe composta por produtores, designers, artistas, engenheiros de som e testadores. Essa galera trabalha para levar os melhores produtos a uma indústria que hoje é composta por 2,8 bilhões de jogadores em todo o mundo, gerando receitas de US$ 189,3 bilhões, segundo dados da empresa de pesquisa Newzoo. No Brasil, a Newzoo aponta que o mercado de jogos terá uma receita de US$ 2,3 bilhões em 2021. Ainda que aqui a indústria seja menor, as oportunidades para trabalhar na área estão crescendo mesmo para quem não é um aficionado pela profissão, como é o caso de Rodrigo Duarte Louro. Ao procurar estágio enquanto cursava a faculdade de Ciência da Computação, ele acabou se deparando com uma vaga em uma empresa de jogos pequena que tinha acabado de começar. Na época, Rodrigo tinha 21 anos e confessa que esse não era seu sonho, mas acabou encarando o desafio. "Quando entrei na faculdade, eu não tinha muita ideia para onde ir. Nunca quis muito uma carreira específica, mas as possibilidades de mercado para quem é programador são grandes", diz Rodrigo ao Mente Binária. "Eu não manjava nada de games, mas estagiei nessa empresa por um ano, e foi onde eu comecei a gostar e aprender sobre desenvolvimento de games", conta. Rodrigo saiu desse estágio para conseguir concluir a faculdade, mas no último semestre voltou a estagiar em outra empresa de games, a Tapps, onde está até hoje trabalhando com desenvolvimento de jogos para mobile. "Quando comecei a estagiar com jogos, eu gostei, e a menos que aparecesse uma oportunidade muito boa, eu decidi que não ia mais sair da área", relata. "A menos que aparecesse uma oportunidade muito boa, eu decidi que não ia mais sair da área" - Rodrigo Duarte Louro Já o caso de Murilo Costa é o mais tradicional para quem trabalha com desenvolvimento de jogos: ser apaixonado pela área. "Desde dos 12 anos de idade eu já estava certo da vida que queria trabalhar com jogos, e nessa idade já tinha começado a programar", conta Murilo ao Mente Binária. Foi assim que ele acabou fazendo um curso técnico em informática aos 15 anos. "Eu já queria entrar na área de jogos, mas no Brasil era difícil", destaca. Por certa falta de oportunidade, Murilo acabou entrando no mercado de TI como desenvolvedor de software, atuando nessa área por cerca de 7 anos. Enquanto isso, ele também cursou a faculdade de Ciência da Computação. "Eu tinha 22 anos quando consegui meu primeiro emprego como estagiário em jogos. Eu ia para essa profissão de qualquer jeito, mesmo que por conta própria. Mandei muito currículo, porque o mais importante era começar de algum jeito, e depois ir encontrando meu espaço", ressalta. "Eu me permiti voltar para a estaca zero quando entrei na indústria de games. Quando decidi sair do emprego de desenvolvedor de software e ir pra jogos, eu já era CLT e estava quase virando um profissional pleno dentro da empresa, mas decidi voltar a ser estagiário para começar na área", conta. "Eu me permiti voltar para a estaca zero quando entrei na indústria de games" - Murilo Costa Murilo ficou durante 5 anos e meio nessa empresa, começando como programador de jogos mobile, e aos poucos foi crescendo internamente, até virar coordenador. "Passei a trabalhar como gestor, participava da contratação e desenvolvimento de outros programadores", diz. Mas no ano passado, Murilo decidiu que queria voltar a programar, e foi aí que começou a trabalhar no estúdio Rogue Snail como programador sênior. "O que eu gosto é da área de programação", pontua. O que precisa para ser um desenvolvedor de jogos A complexidade da profissão pode variar dependendo do tipo de jogo que será desenvolvido, mas para quem quer começar, é preciso saber o básico de programação. "Na faculdade não tem nada específico para o mercado de trabalho. Se você tem uma base de programação forte, está preparado para tudo, mas não é especialista em nada", diz Rodrigo. Ele conta que apesar disso, há cursos mais focados em jogos. "Na Tapps muita gente que trabalha comigo fez um curso de design de jogos na Fatec e na Anhembi. No meu caso, não fiz nenhum curso específico. Agora, com 7 anos de experiência, tenho uma noção das outras áreas, mas o background de programação dá total liberdade para fazer os jogos", diz. A dica é saber duas linguagens de programação, que são as mais adotadas em desenvolvimento de games: C# e C++. A primeira é utilizada pelo motor de jogos (game engine) chamado Unity, enquanto a segunda é utilizada pela engine Unreal. Apesar de essas serem as duas linguagens mais utilizadas, muitas empresas querem fazer suas próprias engines. "Na Unity você consegue fazer e exportar o jogo para cada plataforma específica, mas na Tapps a gente exporta só mobile, então usamos uma engine própria", diz Rodrigo. O mais recomendável é estudar não somente a linguagem, mas aprender como a engine funciona e pode ser manipulada para se obter resultados. "Eu já praticava isso sozinho", diz Murilo. "Normalmente, quando as pessoas vão trabalhar com jogos, já tiveram contato com engines ou produção de algum jogo". Ele destaca que o ideal para treinar é participar de game jams, que são encontros de desenvolvedores de jogos com a proposta de planejar e criar um ou mais jogos em pouco tempo, geralmente variando entre 24 e 72 horas. "Isso ajuda as pessoas a terem contato com as engines e tecnologias. Mas precisa de um conhecimento básico em programação. Essa é uma recomendação para desenvolvedores de software no geral", destaca. Matemática e inglês são pré-requisitos Além de saber o básico de programação, é preciso ter uma noção tanto de matemática quanto de inglês para quem quer evoluir na carreira de desenvolvedor de games. "Os dois são bem importantes. Não é um impeditivo total não saber isso, mas vai facilitar muito sua vida", destaca Rodrigo. Tanto ele quanto Murilo recomendam no mínimo o conhecimento de leitura em inglês para que a atuação na área seja mais fácil. Isso porque muitos dos materiais de estudo em programação são nesse idioma. "Isso é uma barreira que pode atrapalhar", diz Rodrigo. Os conhecimentos de matemática também são importantes para programação, na visão de Rodrigo. "Dependendo do jogo que você fizer, a matemática é utilizada mais ou menos na prática, mas ter esse conhecimento mais forte te faz um programador melhor sempre", afirma. Ele diz ainda que em alguns casos a geometria analítica é utilizada. "Se estou fazendo um jogo de tiro, preciso saber com qual força a bala sai da arma", explica. Mobile x console Tendo navegado no mundo mobile e agora no de jogos para computadores, Murilo conta um pouco sobre a diferença entre programar em um e para outro universo. "Jogos mobile gratuitos normalmente têm compras dentro, e os usuários podem assistir anúncios para obter recompensas. Também é preciso pensar que essa indústria é gigantesca, tanto em número de devices quanto de usuários. Você atinge o público de maneira mais global e tem que se preparar para lidar com menos recursos, porque o celular é menos potente que o console", diz. Ele destaca ainda que a usabilidade é bem diferente no celular e no PC. "No mobile, precisamos pensar em como integrar compras e propagandas em tempo de execução do jogo, e games de console normalmente não têm isso. No PC, o jogo tende a ser mais fácil, por outro lado, que os demais jogos de console, por ser mais flexível em relação aos inputs de teclado, mouse, ou controle", relata Murilo. Mercado de trabalho O mercado de trabalho brasileiro para a indústria de games está crescendo, apesar das oportunidades ainda serem maiores em outros países. Na visão de Murilo, esse ainda é um setor de poucas empresas no Brasil, com algumas companhias grandes dominando, mas praticamente todas para desenvolvimento mobile, ressaltando que os jogos para celulares compõem a maior parte do mercado consolidado no país. Murilo diz ainda que há alguns estúdios pequenos se desenvolvendo localmente, mas muitos ainda dependem de investimento externo ou de projetos institucionais que estimulem seu funcionamento. "Ainda temos poucas oportunidades e não temos tanta escolha". Ele adiciona que na área de programação, ainda há uma diferenciação para quem trabalha com desenvolvimento para bancos ou para web, e quem trabalha com jogos. "Tem uma procura muito alta de pessoas querendo trabalhar na área, mas a remuneração não é competitiva, e temos poucos estúdios. Mas tem crescido", avalia. "Não ter medo e não desistir da área" Para Rodrigo, o gargalo também aparece do lado da mão de obra especializada. "Sempre vejo vaga aberta, mas é difícil preencher. As empresas estrangeiras acabam tendo maior competitividade. Também é o sonho das pessoas trabalharem em grandes companhias como Blizzard, King, etc. O mercado de jogos mexe com o sonho das pessoas, por isso muitas delas já escolheram a faculdade porque queriam fazer games. Mas ainda vejo que faltam profissionais especializados, e isso é na área de programação em geral", pontua. Mesmo com esses desafios, não ter medo e não desistir da área é a dica de Rodrigo para quem quer atuar como desenvolvedor de games. "Se você tem um background de programação, já é um programador e quer migrar de área, pesquise o mercado, pois tem muita empresa sólida. E quem não é programador e quer fazer jogos, precisa começar a estudar programação em geral, ter um nível mediano. Não precisa focar em jogos inicialmente, mas depois comece a pegar tutoriais, estudar engines e fazer jogos simples. Explore a parte criativa, porque isso gera muito conhecimento", indica. "A participação em game jams ajuda muito" Murilo também destaca a importância de tentar construir um portfólio, reforçando que a participação em game jams ajuda muito nesse sentido. "É uma oportunidade de conhecer pessoas da área, estabelecer contatos e mostrar o trabalho. É preciso ter a experiência de fazer um jogo para entender quais são as partes que precisam ser melhor desenvolvidas", ressalta. 🎮
×
×
  • Create New...