Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'atirracismo'.

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Supporter area
    • Tools of the Trade
    • Finance transparency
  • MBConf
    • MBConf v1
    • MBConf v2
    • MBConf v3
  • Mente Binária
    • General
    • Computer Architecture
    • Certifications
    • Quantum computing
    • Cryptography
    • Challenges and CTF
    • Hardware Hacking
    • Electronics
    • Conferences
    • Forensics
    • Games
    • Data privacy and laws
    • Code breaking
    • Networking
    • Pentest
    • Speak to us!
    • Software releases
  • Career
    • Study and profession
    • Jobs
  • Reverse Engineering
    • General
    • Malware Analysis
    • Firmware
    • Linux and UNIX-like
    • Windows
  • Programming
    • Assembly
    • C/C++
    • Python
    • Other languages
  • Operating Systems
    • GNU/Linux and UNIX-like
    • Windows
  • Segurança na Internet's Discussão

Categories

  • Portal Mente Binária
  • Specials

Categories

  • Tech basics
    • Text comprehension
    • English
    • Mathematics
  • Computing Basics
    • Lógica de Programação
    • Computers Architecture
    • Cryptography
    • Data Structures
    • Network
    • Operating Systems
  • Specifics
    • SO Internals
    • Web
    • Python
    • Javascript
    • Infrastructure
    • Go
    • Reverse Engineering
    • DevOps
    • C/C++
    • Log Analysis

Categories

  • Crackmes
  • Documentation
  • Debuggers
  • PE tools
  • Books
  • Util
  • Packers
  • Unpackers
  • Virtual Machines

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


GitHub


Twitter


LinkedIn


Website

Found 1 result

  1. Com 8 anos de idade, Ana Carolina da Hora já sabia que queria ser cientista. Aos 12, já tinha começado a programar. Nascida em Duque de Caxias (RJ), Nina, como é conhecida, sempre gostou de computação, e aproveitou o apoio da família durante a infância e adolescência para explorar a área com recursos que tinha dentro de casa mesmo. Nina vem de uma família de professoras, então a educação sempre foi muito forte em seu ambiente familiar. "Aqui faltava qualquer coisa, menos livro. Eu lia livros de ciência para crianças em quadrinhos. Também li 'O homem que calculava', de Malba Tahan, que é antigo e fez parte da infância de muitas pessoas. Muita gente fala que se interessou pela matemática por conta desses livros. Eu lia e ficava imaginando como foi possível para esses cientistas e filósofos terem as ideias que eles tiveram", conta Nina. Interessada em tecnologia, Nina desmontava aparelhos de DVD e minigames em casa, até que um dia aproveitou o computador de sua tia para programar. "Sempre tive muita liberdade para fazer isso mesmo sem as ferramentas que as pessoas ricas ou de classe média tinham. Os livros me ajudaram muito, e os desenhos e programas que eu assistia de ciência também, além de professores que nessa fase me ajudaram a buscar conhecimento de formas diferentes". Mesmo com todo esse interesse, Nina não sabia direito o "nome" da profissão que ela queria seguir, até que ela descobriu que era Ciência da Computação. "Não só pelo título de cientista, mas por querer passar pelo caminho e pela história da computação, e não só fazer parte do resultado. Eu fui saber isso com quase 17 anos, quando fui prestar vestibular", conta. Foi com essa idade que Nina foi aprovada em uma universidade pública. Alguns anos depois, em 2015, ela migrou para a PUC-Rio, onde está agora finalizando o último ano de curso, aos 26 anos. "Desde que entrei na faculdade eu já trabalhava. Fiz curso técnico em informática e comecei atuando nessa área como estagiária. Virei professora porque me dava bem com os alunos e tirava dúvidas deles no laboratório". Foi assim que Nina passou a dar aula de programação com 18 anos. Depois disso, ela foi trabalhar como desenvolvedora em inteligência artificial, mas seu objetivo mesmo sempre foi seguir na área acadêmica. "Por isso eu fiz muita coisa, participei do Apple Developer Academy 2018-2020 e de programas de pesquisa da PUC. Durante a universidade, trabalhei em duas startups de robótica no Brasil desenvolvendo produtos e robôs. Também trabalhei em ONG por dois anos, com a ideia de democratizar a computação. Trabalhei em escolas, startups, empresas, ONGs e laboratórios de pesquisa", diz. Agora, perto de se formar, Nina já vai direto iniciar seu doutorado. "Sempre vou atuar na sociedade civil, mas eu gosto da pesquisa e de dar aula, pois acho que é uma forma de se manter sempre atualizado". Toda essa trajetória de Nina converge para a criação de um instituto de computação em Duque de Caxias, que é o próximo projeto no qual ela quer investir. "Para isso preciso ter minhas experiências, entender o que é necessário para esse ambiente". Nina conta que o instituto será focado em educação tecnológica de computação. "O foco é desenvolver cientistas, e não só preparar pessoas para uma carreira profissional. O objetivo é parar de pensar nas pessoas como objeto de mercado de trabalho. Meu público-alvo será os mais jovens e negros, que geralmente querem entrar nessa área e não tem oportunidade, mas também quero atingir um público mais velho". Desafios e preconceito A carreira de Nina é repleta de conquistas e aprendizados, mas quem vê de fora nem imagina as dificuldades de ser uma mulher negra em uma área predominantemente composta por homens brancos. "Continua sendo um desafio, acho que as pessoas têm bastante problema em lidar com mulheres negras em posições de tomada de decisão", diz. Segundo ela, essa dificuldade vem de uma ideia de que as decisões dentro da área devem ser objetivas e frias. "Quando colocam mulheres negras, que são pessoas que humanizam os projetos nas ciências exatas, por todo nosso background, há uma dificuldade das pessoas em saber lidar, porque não seguimos os padrões e estereótipos dessa área". "A dedicação que tenho que ter é o triplo da dedicação que um homem branco que trabalha na mesma área que eu" Mesmo tendo encontrado muitas portas abertas ao longo de sua trajetória, Nina conta como é a pressão de ter que se reafirmar para ser aceita como profissional e cientista. "Ninguém tem noção de quantas vezes por dia eu tenho que provar que sei o que estou fazendo. Hoje em dia eu sei provar mais rápido. Mas a dedicação que devo ter é o triplo da dedicação que um homem branco que trabalha na mesma área que eu". Nina conta que por ser uma mulher negra e fazer parte da comunidade LGBTQIA+, ela acompanha muito de perto a dificuldade que há nas empresas em trabalhar com diversidade e inclusão. "Não adianta colocar essas pessoas em um ambiente tóxico, pois elas serão prejudicadas. Até mesmo nas redes sociais, quando tenho que criar conteúdo, sou cobrada a provar que sei sobre o que estou falando. Mas eu sou assídua na internet, e eu respondo o que sei responder. Se eu não souber, eu falo que não sei. Ainda assim, as pessoas estão sempre esperando que a gente responda a altura do que elas consideram o certo". Nina participou do Apple Worldwide Developers Conference (WWDC) em 2018 Dificuldades na área de cibersegurança Nina também trabalha com ética e inteligência artificial responsiva, e a cibersegurança sempre esteve muito perto das outras áreas em que atuou. "Não tinha a oportunidade de colocar em prática, mas quando comecei a fazer pesquisas, fui para o estudo de criptografia. Agora estou mais perto de projetos focados na segurança digital no Brasil. Não posso revelar o nome de todos, mas também sou conselheira de segurança do TikTok". Esse conselho consultivo foi pensado para a segurança da informação, explica Nina. "Tem sido interessante colocar em prática a experiência que eu tive". Mas na área de segurança, Nina também vê diversos problemas. "É um setor muito fechado, não acostumado a ter mulheres negras protagonizando, participando das construções de projetos". Ela conta que muitas decisões prejudicam a vida de pessoas negras. "Não dá para lutar pela abertura dos dados, por exemplo, se você não luta pela segurança. Temos muitas mulheres parlamentares negras sendo ameaçadas porque os dados delas estão abertos, sem segurança, personalizando a pessoa. O cruzamento das informações é prejudicial para o que queremos construir em cidadania digital e segurança", aponta. "O cruzamento das informações é prejudicial para o que queremos construir em cidadania digital e segurança". Ela conta que nessa área é preciso entender o contexto em que uma ferramenta será inserida. "Precisamos reconhecer que estamos em contextos diferentes para falar em segurança digital. Estou participando da construção de ferramentas que lidam com violência política, por exemplo. Como foi fazer uma ferramenta para ser usada por uma parlamentar negra de São Paulo e ao mesmo tempo por uma parlamentar indígena do Nordeste? É preciso adaptar sem perder a essência. Esse é um exemplo, e não é fácil, mas as pessoas precisam não ter medo dessa dificuldade e complexidade, senão somente avançaremos com as ferramentas, que daqui a pouco não serão mais usadas, mas não avançaremos com pensamento crítico". Hacker Antirracista "Em todos os lugares que eu passei, vi coisas parecidas, desde pessoas falando abertamente que não gostavam da minha atuação porque sou negra e que eu não tinha que levar questões raciais para a empresa, até pessoas que não queriam que a pesquisa que eu estava fazendo na época abordasse questões raciais. Não tem como a gente estar nesses ambientes e não lutar por respeito", diz Nina. "Quando vou em um evento, se me chamam de novo para o mesmo evento eu falo que não, que tem que chamar outra pessoa negra. Isso é ser Hacker Antirracista". Acompanhando – e vivendo – de perto todas essas questões, ela iniciou um movimento ativo para gerar a desconstrução desses padrões, e hoje se autointitula uma Hacker Antirracista. "Ainda não estamos perto do ideal. Por isso, quando vou em um evento, se me chamam de novo para o mesmo evento eu falo que não, que tem que chamar outra pessoa negra. Isso é ser Hacker Antirracista. Eu gero uma corrente para que essas questões não fiquem centralizadas em uma pessoa só". Menos30 Fest, festival de empreendedorismo e inovação da Globo que Nina participou Nina também trabalha com iniciativas que promovem o conhecimento sobre pessoas negras que atuam na área de ciências. O Ogunhê é um podcast que trata desse assunto. "Eu criei porque mantinha um diário desde a adolescência, quando descobri a área que eu queria atuar. Minha mãe e minha família ficaram com medo, por ser uma área de pessoas brancas e muitos homens, e aí eu comecei a pesquisar sobre cientistas de outros países, criei um diário e ele virou o Ogunhê. É mais uma prática antirracista, mas não só do meio tecnológico. Eu trago pesquisas alinhadas à sociedade", explica. Apoio da família Sem a ajuda da família, Nina não teria chegado onde chegou. Foi sua mãe e suas tias que deram todo o suporte e o incentivo para ela descobrir, inclusive, o que realmente queria fazer. "Elas me faziam perguntas e me incentivaram a conversar sobre isso em casa. Eu não tinha muita gente com quem conversar sobre esses assuntos, e mesmo elas não sendo da área de exatas, – são todas da área de humanas e biológicas – me incentivaram a pensar em formas de buscar conhecimento para que eu não me limitasse". O incentivo continua até hoje. Em casa, Nina é "provocada" a pensar no coletivo. "Não existe estar numa área como da computação e não pensar no que estou oferecendo para a sociedade. A computação só existe por conta de outras áreas, como engenharia elétrica e filosofia. Por isso sempre fui provocada pela família para explicar aqui em casa o que faço para minha avó, mãe, tias, e meus irmãos. São os primeiros testadores de qualquer coisa que eu coloco na rua. Se eles se entenderem, qualquer pessoa vai entender". "Você não está sozinha em nenhum ambiente tóxico, por mais que façam você acreditar nisso". Se você é uma mulher negra, ou representante de qualquer grupo de diversidade, e quer entrar na área de tecnologia, Nina tem um recado: "vocês não estão sozinhas". Ela diz que há muitas pessoas por aí que passam pelas mesmas dificuldades nesse caminho e que quando ela percebeu isso, viu que não iria desistir. "Você não está sozinha em nenhum ambiente tóxico, por mais que façam você acreditar nisso. Quando percebemos que não estamos sozinhas, conseguimos colocar os problemas na luz e ver como resolver, sempre coletivamente". Nina contou ainda com uma base religiosa para conseguir seguir em frente diante das dificuldades, mas diz que independente de acreditar ou não em religião, todo mundo pode encontrar portas de saída. "Qualquer forma de ver a vida e qualquer perspectiva de base precisa ser revisitada nos piores momentos da sua vida", complementa.
×
×
  • Create New...