Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'orgulholgbt'.

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Supporter area
    • Tools of the Trade
    • Finance transparency
  • MBConf
    • MBConf v1
    • MBConf v2
    • MBConf v3
  • Mente Binária
    • General
    • Computer Architecture
    • Certifications
    • Quantum computing
    • Cryptography
    • Challenges and CTF
    • Hardware Hacking
    • Electronics
    • Conferences
    • Forensics
    • Games
    • Data privacy and laws
    • Code breaking
    • Networking
    • Pentest
    • Speak to us!
    • Software releases
  • Career
    • Study and profession
    • Jobs
  • Reverse Engineering
    • General
    • Malware Analysis
    • Firmware
    • Linux and UNIX-like
    • Windows
  • Programming
    • Assembly
    • C/C++
    • Python
    • Other languages
  • Operating Systems
    • GNU/Linux and UNIX-like
    • Windows
  • Segurança na Internet's Discussão

Categories

  • Tech basics
    • Text comprehension
    • English
    • Mathematics
  • Computing Basics
    • Lógica de Programação
    • Computers Architecture
    • Cryptography
    • Data Structures
    • Network
    • Operating Systems
  • Specifics
    • SO Internals
    • Web
    • Python
    • Javascript
    • Infrastructure
    • Go
    • Reverse Engineering
    • DevOps
    • C/C++
    • Log Analysis

Categories

  • Crackmes
  • Documentation
  • Debuggers
  • PE tools
  • Books
  • Util
  • Packers
  • Unpackers
  • Virtual Machines

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


GitHub


Twitter


LinkedIn


Website

Found 1 result

  1. Atuando na área de segurança há cerca de 10 anos, Fernando Pinheiro (@n3k00n3) possui uma trajetória admirável de alguém que começou a se interessar sozinho por hackear e a partir disso desenvolveu uma carreira que o levou ao cargo de pentester. Mas sua história tem outro fator ainda mais relevante. Se considerando uma pessoa não-binária, Fernando não se identifica com o gênero feminino ou masculino. Esse é um fato que, dentro de sua caminhada profissional, nunca passou a ser relevante ou participar do seu dia a dia. Mas na sua visão, existem poucas oportunidades de conversar sobre o tema na área por ser um ambiente predominantemente masculino e machista. Fernando conta que esse assunto ainda é considerado um tabu na profissão, apesar de nunca ter interferido na sua carreira, que iniciou em Salvador (BA), onde nasceu. Fernando sempre consumiu muito conteúdo da comunidade de segurança da informação, mas o que despertou isso não foi um desejo pela profissão em si. "Meu interesse na área começou logo depois de ver uns jogos na lan house. Tinha que pagar para poder jogar e eu não tinha dinheiro. Eu via meus amigos aumentando de level e eu não conseguia evoluir tanto quanto eles, uma vez que não conseguia pagar as horas. No início foi estranho, mas me deu esse start. Foi aí que eu achei uma vulnerabilidade no aplicativo de gerência da lan house e consegui administrar as horas de todas as pessoas, tendo hora o suficiente para jogar o dia todo", conta em entrevista ao Mente Binária. Depois de um tempo, o administrador da lan house descobriu e criou uma nova versão do aplicativo. Mas Fernando insistiu no hacking até ser expulso da lan house. "Eu já tinha visto em filmes, entendia a ideia dos hackers, mas meu objetivo não era ser hacker, era só jogar. Foi o início de tudo, que chamou minha atenção", diz. E foi mesmo a vontade de jogar que despertou mais a sua curiosidade sobre hacking. Em casa, Fernando pesquisava sobre computação para tentar melhorar seu próprio computador, e acabou encontrando blogs com bastante informação sobre o tema. "Comecei a estudar mais, buscar conhecimento sobre, por exemplo, como funcionavam as vulnerabilidades de aplicações web". Na época com aproximadamente 15 anos, Fernando lia revistas para entender a parte de sistemas operacionais, mas ainda assim não levava tão a sério a história de virar hacker. "Aprendi umas coisas básicas do sistema que ajudaram mais tarde. Meu pai foi um dos maiores apoiadores na época, trazia revistas com CD de computação ou com vários jogos e uma revista digital que ensinava algo. Isso me levou a estudar mais sobre computador em si. Meu pai gostava e me influenciou", destaca. "Só consegui emprego nesse setor quando fui morar em São Paulo" Carreira – Fernando não sabia que dava para trabalhar na área de segurança, mas tinha conhecimento sobre a atividade de programação ou no suporte. "Eu tinha de 19 para 20 anos quando descobri a área de pentest como profissão e que as pessoas pagavam para alguém encontrar falhas. Eu falava para meus amigos 'como assim estavam pagando por isso e a gente fazia de graça?'", lembra. Mesmo depois de descobrir que existia essa profissão, Fernando ainda passou por uma trajetória até virar pentester. "Eu trabalhei com suporte de Linux e como designer ligado à computação. Era legal enquanto não aparecia nada para trabalhar com segurança em si. Apesar de saber que existia a profissão e empresas que contratavam, parecia um mundo distante", diz Fernando, afirmando que em Salvador não tinha empresas na área, e que até hoje dificilmente se encontra uma empresa de segurança ofensiva na região. "Só consegui emprego nesse setor quando fui morar em São Paulo", conta. Mas enquanto ainda trabalhava com suporte de Linux, Fernando estudou e fez cursos sobre manutenção de computadores e redes. "Esse estágio foi em uma cooperativa de software livre, e foi onde eu me encontrei usando Linux, que era algo que eu gostava, pois era uma das base de segurança e estava no meio de uma comunidade ainda maior, com a filosofia hacker vivendo dentro desse ambiente", disse. Fernando ficou nessa empresa/cooperativa durante um pouco mais de 1 ano e depois conseguiu uma vaga como voluntário na Universidade Federal da Bahia (UFBA) para trabalhar como pentester. "Foi meu primeiro trabalho nessa área, mas não era só pentester, eram vários tipos de trabalho. Um deles era resposta a incidentes na automatização de tarefas. A Universidade era muito grande, não era o maior foco achar falha de segurança, mas esse foi o pontapé para a área", conta. Fernando participando do Nullbyte, encontro da comunidade hacker, em 2015 Experiência na área de segurança – Depois da Universidade, onde ficou por uns 6 meses, Fernando participou de um projeto de verão chamado Rails Girls Summer of Code. Lá, aprendeu a desenvolver a linguagem de programação chamada Ruby on Rails para ajudar na segurança da aplicação. "Esse projeto durou cerca de 3 meses, e aí fui para uma empresa de segurança defensiva para implementar soluções de segurança como firewall, antivírus e WAFs. Era o outro lado da moeda", conta. A partir dessa experiência, Fernando conseguiu ver como eram implementadas as soluções de segurança para impedir ataques e como esses ambientes eram gerenciados. "Isso chamou minha atenção sobre como explorar de forma melhor. Eu passei por vários clientes, principalmente de governo, e dava para entender como estavam as falhas e por que existiam. Isso me ajudou bastante a entender uma aplicação ou uma infraestrutura". Depois disso, Fernando foi para São Paulo trabalhar na Cipher, onde atua até hoje. No meio disso, ainda passou por uma empresa de consultoria. "Basicamente, meu dia a dia é encontrar falhas de segurança em aplicações web, aplicações mobile, API, e infraestrutura. Cada semana tem um projeto novo, com linguagens de programação diferentes e desenvolvidas por pessoas diferentes". Dá uma olhada nas publicações que Fernando faz com base em pesquisas que também realiza no tempo livre em seu Blog. Fernando esteve entre os finalistas do Hackaflag em 2014 Quebrando tabus – Fernando destaca que o fato de não se pronunciar muito sobre seu posicionamento de gênero dentro da comunidade LGBTQIA+ talvez seja um dos motivos que fizeram com que esse tema nunca tenha interferido em toda a sua trajetória. "Eu já vi algumas situações em que isso interferiu na vida de outras pessoas, como se isso fosse um demérito ou influenciasse na questão técnica de alguém. Isso é bem diferente do que a comunidade em si e a história do hacking diz", afirma. Citando o Manifesto Hacker, Fernando diz que o que importa é o conhecimento técnico, e não a identidade de gênero ou a sexualidade de alguém. "Isso não quer dizer nada para a comunidade, e sim seu conhecimento científico/técnico e como isso ajuda a comunidade. Esse manifesto fala sobre isso, mas em muitas situações eu vi o oposto", lamenta. Por ainda ser um tema delicado diante de um universo com a mentalidade mais fechada, Fernando não costuma levantar esse assunto com receio da reação da comunidade, de como as pessoas veriam e como isso afetaria sua vida profissional. Contudo, conta uma experiência em que pôde falar mais abertamente sobre o assunto em um hacker space – Raul Hacker Club – em Salvador, onde várias pessoas da área de hacking, TI e desenvolvimento falavam sobre a pauta. "Hacking é liberdade, é quebrar padrões" O verdadeiro hacking – Nas redes sociais, Fernando se classifica abertamente como não-binário, mas ainda assim acredita que falta um debate em si na área de segurança que aborde a comunidade LGBTQIA+. "Se pessoas da comunidade colocam isso em seus perfis, acho que chama atenção para um debate. E publicar sobre isso chama atenção para o assunto, já que são pessoas que estão na área há um tempo e isso não influencia em nada na vida profissional em termos de conteúdo técnico. Isso não deixou ninguém menos hacker, menos desenvolvedor", pontua. Fernando observa que nesse último ano houve uma mudança no cenário, e neste mês de junho, no qual é celebrado o Orgulho LGBTQIA+, o número de pessoas que publicaram sobre o assunto em suas redes aumentou. "Pessoas técnicas, que geralmente postam algo técnico, publicaram sobre o orgulho LGBTQIA+. Existem mais pessoas trans na área falando sobre isso e ajudando outras pessoas a entrarem na área", diz, citando ainda que houve uma recente visibilidade e reconhecimento de mulheres trans na comunidade hacker. Para Fernando, falar sobre o tema é se auto afirmar, lembrar que existe, e faz parte da filosofia dos hackers. "Hacking é liberdade, é quebrar padrões, é achar maneiras de subverter algo. Essas pessoas estão hackeando um padrão estabelecido há muito tempo. Somos hackers, por que não exercer isso na área de segurança? Por que não falar sobre o assunto?", questiona. Fernando incentiva a todos a abordarem esse assunto sem medo. "Seja seu melhor, independente de sua crença, de sua orientação. Falar sobre isso vai ser bom, e não influencia no seu quesito técnico. Falem sobre isso, hackeiem!". 🏳️‍🌈
×
×
  • Create New...