Jump to content

ipax

Apoiador Bit
  • Posts

    2
  • Joined

  • Country

    Brazil

1 Follower

About ipax

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

ipax's Achievements

2

Reputation

  1. Opa, muito interessante a iniciativa, obrigado por ter compartilhado ? Como já tem um tempinho que postou e ninguém respondeu, tirei uns minutinhos agora pela manha para analisar e resolver. O crackme é bem simples e consiste de 2 funções principais (anti-debug e o algoritmo em si). 1- anti-debug, ispresent() com a função ptrace(). 000005df 6a00 push 0x0 {var_10} 000005e1 6a01 push 0x1 {var_14} 000005e3 6a00 push 0x0 {var_18} 000005e5 6a00 push 0x0 {var_1c} 000005e7 e874feffff call ptrace 000005ec 83c410 add esp, 0x10 000005ef 83f8ff cmp eax, 0xffffffff Traduzindo para C essa função, teriamos algo assim: int ispresent() { int pval; if (ptrace(PTRACE_TRACEME, 0, 1, 0) == 0xffffffff) printf("Não vai nem me pagar uma cerveja\n"); pval = 1; else pval = 0; return pval; } PTRACE_TRACEME - Indicate that this process is to be traced by its parent RETURN VALUE - On error, all requests return -1, and errno is set appropriately Quando utilizamos a função ptrace() com o request PTRACE_TRACEME, os valores de pid_t pid, void *addr e void *data são ignorados, portanto os valores utilizados na função poderiam ser qualquer um ? 2- algoritmo, nadaaqui() - Onde a mágica acontece ?️‍♂️ Tentando ser o mais sucinto possível, o programa armazena em um float o valor 720300.0 e divide esse valor (incial) e o resultado subsequente por cada "numero" enviado pelo usuário. Em C seria mais ou menos assim: long double nadaaqui(char *userInput) { float key = 720300.0; while ( *userInput ) key = key / (long double)(*userInput++ - 48); return key; } A atribuição de key pode ter sido feita de diversas formas no código original, no exemplo acima utilizei -48 por conta dos caracteres que são enviados no userInput. Um observação importante é que o programa só aceita números 0-9, portanto como o que é enviado é um char teriamos de acordo com a tabela ASCII: Oct Dec Hex Char 060 48 30 0 061 49 31 1 062 50 32 2 063 51 33 3 064 52 34 4 ... Acredito que na implementação original o autor utilizou isdigit() (ctype.h) para fazer essa verificação. 0x000006bc <+93>: call 0x470 <__ctype_b_loc@plt> De qualquer forma, se enviarmos 0 como char ele seria 48 em decimal, então 48-48 = 0. No código, val = val / (long double)0; Caso enviassemos 1 como char, seria 49, então 49-48 = 1. No código, val = val / (long double)1; Deu para entender a idéia. 3- main() Como tinha comentado, o código é bem simples e main() executa algumas funções. 1- Verifica se o programa está sendo debugado (Pode deixar que eu pago a breja :D) 2- Verifica se a sequência digitada contém caracteres inválidos (Somente números são permitidos). 3- Verifica se o resultado de nadaaqui() == 1.0, sendo assim, a chave é validada ou não. 0000073d d9e8 fld1 0000073f dfe9 fucomip st0, st1 00000741 ddd8 fstp st0, st0 Com isso essa lógica em mente, escrevi o keygen ?: #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <string.h> #include <math.h> #include <time.h> #include <stdbool.h> long double validateNumber(int, float); int nothingToCheck(); int main() { struct timespec ts; clock_gettime(CLOCK_MONOTONIC, &ts); srand((time_t)ts.tv_nsec); nothingToCheck(); return 0; } int randomNumber() { return (rand() % 6) + 2; } long double validateNumber(int num, float result) { float key; key = result / (long double)num; if (roundf(key) != key) return false; return key; } int nothingToCheck() { char num[32]; float result = 720300.0; int counter, valid; counter = valid = 0; while (!valid) { num[counter] = randomNumber(); if (validateNumber(num[counter], result)) { result = validateNumber(num[counter], result); counter++; } else continue; if (result == 1.000000) valid = 1; } counter++; num[counter] = '\0'; printf("Key: "); for (int i = 0; i < strlen(num) - 1; i++) printf("%d", num[i]); printf("\n"); return true; } Compilado com a flag: -lm (obrigatória por conta do roundf()) Algumas considerações sobre o keygen: Para ganhos de performance, utilizei um seed de nanoseconds para o rand() gerar números aleatórios entre 2 e 7 e utilizar como userInput, visto que divisões por 0 daria inf e por ´1 daria o mesmo número. As divisões por 8 e 9 nunca resultariam em um resultado sem dízima portando inválidos. Com certeza existe uma outra forma de fazer esse cálculo mas não atrapalhou no resultado final. ipax@core:~/crackme$ ./mbin-hehe-keygen Key: 523257777 ipax@core:~/crackme$ ./hehe 523257777 Isso aí!! A chave é válida! ?‍♂️ Como uma brincadeira extra, tentei gerar uma lista das combinações ou keys possíveis e cheguei ao número de 5338. Muito divertido e como falei, obrigado por compartilhar. Envie mais! ?
  2. Opa, bom dia! Acredito que o problema esteja mais na lógica e entendimento do exercício proposto. Abordando inicialmente o problema apresentado que o menor retorna o valor 0. A variável menor é inicializada com o valor 0. Considerando os seguintes valores aleatórios do seu vetor: int vetor[3] = { 30, 10, 15 }; A expressão que está sendo testada if(vetor[j] < menor) produziria as seguintes verificações: if (30 < 0) if (10 < 0) if (15 < 0) E como nenhum dos valores são menores que 0, tanto a variavel menor quanto posmenor retornariam zero (valores previamente inicializados). O mesmo problema ocorreria com a variável maior caso tivesse utilizado números negativos. int vetor[3] = { -20, -10, -15 } Pois as seguintes expressões nunca seriam verdadeiras: if (-20 > 0) if (-10 > 0) if (-15 > 0) Algumas considerações e sugestões adicionais. Quando voce fizer o for loop pelo vetor, você pode verificar as duas condições maior ou menor sem a necessidade de fazer 2 loops separados. Você declarou int main() portanto a função espera um int como retorno e boas práticas sugerem que coloque um valor, exemplo: return 0; Isso fica mais claro quando voce começa a trabalhar com funções. Outro ponto na questão de otimização é que as seguintes linhas podem ser simplificadas: printf("\nPosicao: %d", posmaior); printf("\n"); Por: printf("\nPosicao: %d\n", posmaior); E por último, eu sempre gosto de trabalhar com os laços e condições dentro de { } tanto para facilidade de leitura quanto para delimitação de escopo. for ( .. ; .. ; .. ) { if ( .. ) { ... } } Um típico exemplo de como isso pode ser um problemão e as vezes não mostrar o resultado desejado segue: #include <stdio.h> int main() { int val = 0; for (int temp=1; temp < 5; temp++) if (val < temp) printf("%d ", val); val++; printf("\nval: %d\n", val); return 0; } $ ./for-if 0 0 0 0 val: 1 No mais é isso e espero que tenha ajudado, um grande abraço!
×
×
  • Create New...