Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Entre para seguir isso  

    Remoção manual de malware no Windows

       (0 análises)

    Fernando Mercês

    A maioria dos vírus e pragas virtuais compartilham de certos métodos de auto-inicialização com o SO. Isto inclui os spywares e seus similares.

    Os sistemas Windows possuem métodos para inicializar programas junto ao seu carregamento limitados. Na maioria das vezes os vírus iniciam justamente por eles e daí a importância de conhecê-los e saber gerenciá-los. Desta forma, o técnico pode remover manualmente muitas pragas, o que economizará tempo com scans de softwares antivírus e anti-spys, além de ser extremamente útil quando o vírus ataca estes softwares de proteção, impedindo sua inicialização.

    Primeiro vamos ver de que jeito um aplicativo pode ser iniciado junto ao Windows. A maior parte dos vírus age deste jeito.

    Em sistemas baseados em Windows NT, o que inclui os Windows 2000, XP e 2003, os métodos de inicialização de programas são:

    1. Através da pasta Inicializar do Menu Iniciar.
    2. No registro do sitema.
    3. Por serviço de sistema (o que inclui certa parte do registro).

    Na primeira maneira, basta colocar um atalho para o programa que se deseja executar na pasta Inicializar do Menu Iniciar. Por exemplo, na imagem abaixo, a cada inicialização do Windows, inicializaremos a Calculadora junto.

    inicializar.png.2ce82c9aa513a3694af33d5480a9f5e4.png

    Obviamente um vírus pode se aproveitar deste recurso e colocar um atalho para si neta pasta mas não é comum isso acontecer pois o vírus ficaria facilmente visível e uma das intenções de vírus complexos é passar despercebido ao usuário/técnico. De qualquer forma, não custa conferir.

    Agora vamos ao método mais usado, o registro do sistema. Aqui precisaremos explicar resumidamente como o registro destas versões do Windows funciona.

    O registro é um banco de dados que armazena informações essenciais sobre diversos softwares instalados no Windows, além de informações pertinentes ao próprio sistema. Por conta disto, é comum apelidar o registro de “alma do sistema”.

    Esse banco de dados possui, além de outros dados, chaves, sub-chaves e valores numa organização hierárquica (similar ao Windows Explorer).

    Para o artigo, precisaremos conhecer essas três chaves:

    • HKEY_LOCAL_MACHINE – Esta é a chave mais importante do registro. Nela estão contidas informações sobre o PC (hardware instalado, softwares com sua opções e configurações e outros itens). Inclusive veremos que um programa pode ser inicializado por uma sub-chave desta chave.
    • HKEY_USER – Nesta chave são definidas configurações personalizadas para cada usuário do sistema, já que as versões do Windows mais novas permitem logon simultâneo ou não de usuários diferentes. De maneira similar à chave anterior, um vírus pode inicializar-se junto ao SO somente para um usuário específico, usando uma sub-chave desta chave.
    • HKEY_CURRENT_USER – Como o nome sugere, mantém informações sobre o usuário que está atualmente logado no sistema. Todo o registro é dinâmico mas esta chave merece uma definição de dinamismo especial pois muda os valores de suas sub-chaves completamente quando logamos com outro usuário no Windows. Não é difícil de deduzir que ela é um atalho para uma sub-chave de HKEY_USER, já que esta última mantém uma sub-chave para cada usuário cadastrado no sistema. Por exemplo, se logarmos com o usuário “Fernando”, esta chave será uma cópia da sub-chave HKEY_USER. SID (Security Identifier) é uma identificação única que cada usuário tem e o SO conhece os usuários através deste SID.

    Abaixo, o utilitário “regedit” (Registry Editor), usado para visualizar o conteúdo do registro do sitema.

    regedit.png.11c23eab57646301c1ef79c8a792f636.png

    Perceba a igualdade entre as áreas destacadas em vermelho. É justamente o que falamos na explicação da chave HKEY_CURRENT_USER. Note o SID do meu suário também.

    Depois desta breve introdução ao registro do sistema, podemos partir para as sub-chaves que realmente importam na questão da remoção manual de vírus.

    São elas:

    HKEY_LOCAL_MACHINESOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionRun 
    HKEY_LOCAL_MACHINESOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionRunOnce 
    HKEY_LOCAL_MACHINESOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionRunOnceEx
    HKEY_USERS\SOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionRun
    HKEY_USERS\SOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionRunOnce

    As duas últimas chaves acima dependem do SID do usuário mas se a suspeita de vírus for no usuário que está logado, você pode acessá-las pelo atalho como comentamos acima.

    Tudo o que estiver nestas chaves será inicializado junto ao sistema. Faça o teste: verifique o que tem nas sub-chaves de seu PC e veja os caminhos para os arquivos que incializam. No exemplo HKEY_LOCAL_MACHINESOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionRun da máquina que usei, está assim.

    run.png.8dd0a61a31176868e8c1b1ea0a36068d.png

    Como podemos ver, só há três valores, que são os caminhos absolutos dos executáveis que inicializam junto à máquina usada. Esta é uma máquina virtual. Numa máquina real, os valores normais são outros.

    Para remover programas da inicialização, basta remover os valores desejados.

    É importante salientar que muitos arquivos presentes nestas sub-chaves são essenciais ao sistema e não devem ser removidos. Cabe ao técnico saber identificar caminhos e nomes de executáveis suspeitos. Se você tiver dúvida quando à procedência de algum arquivo, pode digitar seu nome no site Process Library, que mantém uma lista atualizadas de processos (programas em execução) para nos ajudar a identificar se são do sistema ou não.

    Há ainda o método de serviços que podem ser utilizado por alguns vírus mais complexos. A tela de serviços você tem acesso indo no menu Iniciar > Executar, digitando services.msc e clicando no botão OK. Eis a da máquina que usamos para o artigo.

    servicos.thumb.png.28009875be38757895f33aa79dadd890.png

    Esses serviços são na verdade processos (programas) inicializados que recebem este nome pela capacidade de poderem ser muito melhor gerenciados pelo sistema operacional que um processo comum. Perceba a coluna “Status” na imagem. Um serviço pode ser iniciado, reiniciado, pausado ou parado e seu método de inicialização pode ser manual (quando clicado), automático (a cada inicialização do sistema) ou desativado. Um vírus obviamente se aproveitaria do método automático e poderíamos pará-lo e depois desativá-lo numa remoação manual.

    Assim como os processos comuns, a maioria dos serviços é essencial ao sistema, portanto, é bom que se faça uma pesquisa sobre ele (no Google e sites similares) antes de parar ou desativar um serviço suspeito ou não.

    Ao entrarmos nas propriedades de um serviço, vemos o caminho do executável ao qual ele se refere além de uma caixa drop-down para alterar o tipo de inicialização, como mostra a imagem abaixo.

    telnet.png.e7d0654f3cb0e447978b8c8ce7df691f.png

    Com este básico conhecimento, muitos vírus podem ser removidos mas é claro que não basta. Recomendamos sempre um scan com um bom antivírus atualizado e com um anti-spy, mesmo após a remoção manual.

    Existem alguns programas que podem ajudar na identificação de vírus e na remoção manual. Abaixo segue uma lista com descrição:

    • Process Explorer – monitora os processos em execuçao em tempo real, o que permite identificarmos se algum processo suspeito está sendo executado. O Process Explorer também mostra o que o processo está fazendo ou tentou fazer (quando bloqueado pelo SO).
    • HiJackThis – gera uma lista e um arquivo de log com todos os processos que inicializam junto ao sistema, podendo ser utlizado inclusive para remover o que sejam julgados suspeitos (muito cuidado com seu julgamento). NOTA: O projeto original foi descontinuado, mas o usuário Polshyn Stanislav da Ucrânia o continuou.
    • Gmer - uma aplicação que detecta e remove rootkits (dentro de um limite, claro). A ideia é procurar por uma lista de coisas escondidas, tais como processos, threads, serviços, arquivos etc.
    • MSCONFIG – utilitário presente no Windows XP mas que pode ser copiado a partir do arquivo msconfig.exe para outros sitemas Windows. Ele mostra de forma interativa o que está sendo inicializado junto ao sistema além de permitir a consulta de outras informações. Você pode chamá-lo a partir do menu executar.
    Entre para seguir isso  


    Feedback do Usuário

    Crie uma conta ou faça o login para deixar um comentário

    Você precisa ser membro para fazer uma análise

    Criar uma conta

    Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

    Crie uma nova conta

    Entrar

    Já tem uma conta? Faça o login.

    Entrar Agora

    Não há análises para mostrar


  • Conteúdo Similar

    • Por Aof
      Estou analisando um malware que esta com esse crypt  VB.Crypter.Vi mas consegui bypass por não ter encontrado nada pra tirar ele na internet, mas se alguém tive como me ajudar, agradeço.
    • Por Fernando Mercês
      Saudações, leitores do Mente Binária! Hoje me deu vontade de falar sobre uma tarefa que eventualmente preciso fazer na empresa onde trabalho, que é a de verificar as diferenças entre arquivos executáveis, normalmente de Windows, também conhecidos por executáveis PE.
      Há vários usos ao comparar binários. É possível avaliar o que mudou na versão atual de um software em relação à anterior, descobrir o que muda em cada sample diferente de uma mesma família de malware, etc. Esses dias mesmo me foi pedido que verificasse a diferença entre 6 arquivos maliciosos, que compartilho abaixo como fiz.
      Reconhecimento básico
      Os arquivos que recebi tinham seu hash SHA-256 como nome. A primeira coisa que fiz foi checar seu tipo (usando comandos do macOS, mas o Linux tem comandos similares):
      $ file * fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04: PE32 executable (GUI) Intel 80386, for MS Windows fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9: PE32 executable (GUI) Intel 80386, for MS Windows fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05: PE32 executable (GUI) Intel 80386, for MS Windows ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd: PE32 executable (GUI) Intel 80386, for MS Windows ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640: PE32 executable (GUI) Intel 80386, for MS Windows ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e: PE32 executable (GUI) Intel 80386, for MS Windows Só para garantir, também chequei o SHA-256 deles e realmente bateu com o nome, o que era esperado:
      $ shasum -a256 * fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04 fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04 fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9 fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9 fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05 fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05 ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640 ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640 ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e PS.: No Linux o comando seria sha256sum ao invés de shasum -a256.
      O próximo passo foi checar o tamanho deles:
      $ wc -c * 396973 fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04 396973 fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9 396973 fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05 396973 ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd 396973 ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640 396973 ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e 2381838 total Aqui apresentou-se um caso atípico: os binários possuem exatamente o mesmo tamanho! Já pensei que havia grandes chances de as diferenças entre eles serem mínimas: provavelmente algo usado pelo autor do malware só para "mudar o hash" na tentativa de evitar que os antivírus detectem os arquivos idênticos, por exemplo. Essa tentativa é na verdade frustrada visto que, ao contrário do que muitos pensam, os antivírus não detectam malware por hash normalmente, já que isso seria muito custoso do ponto de vista do desempenho (seria preciso ler todos os bytes do arquivo!) e também seria muito fácil tornar um novo arquivo indetectável - bastaria alterar um único byte para um hash final completamente diferente.
      Comparação de estrutura
      Se estivéssemos tratando arquivos de texto, poderia simplesmente usar o comando diff, mas o assunto aqui é PE, então algo interessante de verificar é sua estrutura, que consiste basicamente em cabeçalhos, localizados antes das seções. Se você não sabe do que estou falando, recomendo os seguintes recursos:
      Posts do @Leandro Fróes sobre o formato PE e suas referências. Capítulo sobre PE do livro Fundamentos de Engenharia Reversa. Aulas 5 e 6 do CERO, nosso Curso de Engenharia Reversa Online em vídeo. Digitar "PE executable" no Google ler o que curtir. Depois dessa imersão no mundo dos executáveis PE, não tenho dúvidas de que você vai se apaixonar por eles também! 😍
      Voltando à comparação, o que eu quero dizer com estrutura? Bem, os valores dos campos dos cabeçalhos. Por exemplo, para ver o cabeçalho COFF de um arquivo PE, usei o readpe, parte do kit de ferramentas pev:
      $ readpe -h coff fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04 COFF/File header Machine: 0x14c IMAGE_FILE_MACHINE_I386 Number of sections: 5 Date/time stamp: 1401620468 (Sun, 01 Jun 2014 11:01:08 UTC) Symbol Table offset: 0 Number of symbols: 0 Size of optional header: 0xe0 Characteristics: 0x102 Characteristics names IMAGE_FILE_EXECUTABLE_IMAGE IMAGE_FILE_32BIT_MACHINE Mas não, não usei o pev por saudosismo! A ideia de ter uma saída em texto da estrutura desses binários é depois usar o comando diff para compará-las. A primeira coisa que precisei então foi gerar um .txt contendo toda a estrutura, e não só o cabeçalho COFF, para cada um dos arquivos. Uma repetição em bash dá conta do recado:
      $ ls -1 readpe_output_* readpe_output_fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04.txt readpe_output_fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9.txt readpe_output_fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05.txt readpe_output_ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd.txt readpe_output_ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640.txt readpe_output_ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e.txt Eu usei o readpe sem nenhuma opção, assim ele imprime todos os cabeçalhos, incluindo os de seções. Só pra começar fiz um diff do primeiro para o segundo e não houve qualquer saída, ou seja, a estrutura dos arquivos eram idênticas! E eram mesmo:
      $ wc -c readpe_output_* 21627 readpe_output_fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04.txt 21627 readpe_output_fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9.txt 21627 readpe_output_fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05.txt 21627 readpe_output_ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd.txt 21627 readpe_output_ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640.txt 21627 readpe_output_ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e.txt 129762 total $ md5 !$ md5 readpe_output_* MD5 (readpe_output_fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04.txt) = 05b36b89b1165b3d619bee16f8a1d7f7 MD5 (readpe_output_fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9.txt) = 05b36b89b1165b3d619bee16f8a1d7f7 MD5 (readpe_output_fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05.txt) = 05b36b89b1165b3d619bee16f8a1d7f7 MD5 (readpe_output_ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd.txt) = 05b36b89b1165b3d619bee16f8a1d7f7 MD5 (readpe_output_ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640.txt) = 05b36b89b1165b3d619bee16f8a1d7f7 MD5 (readpe_output_ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e.txt) = 05b36b89b1165b3d619bee16f8a1d7f7
      Os hashes MD5 da saída em texto da estrutura de todos os arquivos batem. Eles são mesmo iguais estruturalmente!
      Passado o choque, percebi que teria que comparar o conteúdo das seções (código, dados, talvez resources, etc). Aí fui obrigado a inicializar minha VM do Janelas mesmo...
      Comparação do conteúdo das seções
      Existem alguns softwares que trabalham com PE e possuem funções de comparação de dois executáveis. Eu costumava usar o Cold Fusion (um antigo gerador de patch) pra isso, mas ele tem alguns bugs que me impediram. Achei a mesma função no Stud_PE, mas ele localiza arquivos por extensão na janela de comparação, então renomeei o primeiro e o segundo arquivo que tinha para a.exe e b.exe respectivamente.
      Ao abrir o a.exe no Stud_PE, usei o botão "File Compare", selecionei o método "Binary", setei o "Starting from" pra "Raw" e cliquei em "Compare":

      Se você não entendeu por que fiz isso, volte uma casa ou leia os tutorias de PE que indiquei. Ou pergunte que eu falo. 😍
      Bem, entre esses dois caras então havia 9 bytes que o diferenciavam e eu já tinha os offsets a partir do início do arquivo. Agora é descobrir em que seção eles estavam no PE, o que são, o que comem e como eles vivem. 😎
      Descobrindo como as diferenças são usadas
      Abri o executável no x64dbg (na verdade no x32dbg, já que este binário é de 32-bits) mas percebi que o entrypoint estava no endereço 013706AA. Como o ImageBase deste binário é 00400000, percebi que o ASLR estava habilitado e, antes de continuar , desabilitei-o com o DIE, como mostro neste vídeo rápido no canal Papo Binário:
      Antes de reabrir o binário no x32dbg, convém lembrar que eu tinha um offset e precisava convertê-lo para endereço virtual (VA). Isso é feito com o que alguns analisadores de PE chamam de FLC (File Location Calculator). O DIE tem, o Stud_PE tem e o pev também tem, com a ferramenta ofs2rva:
      $ ofs2rva 0x4c451 a.exe 0x4dc51 Mas pra não você não me acusar de saudosismo de novo, vou mostrar no Stud_PE 😄

      Percebe que o Stud_PE já diz que este byte pertence à seção .rdata, o que à esta altura você já sabe, caso tenha feito o trabalho de casa de estudo do PE, que é provavelmente uma seção de dados somente-leitura, então há grandes chances de nossa sequência diferentona pertencer à uma string constante, por exemplo. Fui ver no debugger como é que tava a festa. Abri o a.exe lá e dei um Ctrl+G no Dump pra ir pro endereço 44DC51:

      De fato tinha uma string lá: zuk0KRrGrP, mas ela na verdade começava em 44DC44 e pra saber quando ela era usada no malware, coloquei um breakpoint de hardware no acesso ao byte, que é o primeiro da string e cheguei à conclusão de que, como o nome sugere, é realmente uma string de identificação da campanha do malware, sempre no mesmo offset (calculei de novo usando FLC).  Agora foi só ver a dos outros e novamente recorri à uma ferramenta do pev (💚), a pestr:
      $ for i in *; do echo $i; pestr -so $i | grep 0x4c444; echo; done fdba340bb35635934aa43b4bddd11df31f2204e73394b59756931aa2f7f59e04 0x4c444 .rdata identifierStrzuk0KRrGrP fdf3060eb9c39b1a2be168b1ac52c2f80171394e73fe03c4e0c57911cb9358a9 0x4c444 .rdata identifierStrAR0U4hr1wW fedf9d9815b3d0ad28e62f99d5dcf92ec0f5fcb90135b4bdc30bb5709ab9ff05 0x4c444 .rdata identifierStrswEYVkFWeg ff2f1be6f64c91fa0a144cbc3c49f1970ba8107599d5c66d494ffb5550b0f7fd 0x4c444 .rdata identifierStrKXaUzlBDIj ff53c7ba285ffdc2c29683bb79bb239ea59b3532f8b146523adf24d6d61fc640 0x4c444 .rdata identifierStrv91TJ5c3Lr ffee504e292a9f3ae6c439736881ebb314c05eac8b73d8b9c7a5a33605be658e 0x4c444 .rdata identifierStrOzJnvFQy2U Bom, daí o céu é o limite. Dá pra criar assinatura, criar um script pra extrair esse ID da campanha, enfim, missão cumprida.

      FAQ
      1. Por que você não utilizou só um comparador de arquivos qualquer, que compara os bytes em hexadecimal?
      Eu queria saber exatamente onde estavam as diferenças entre os arquivos, se na estrutura ou não. Em caso negativo, é código? Se sim, que código? Que faz o que? São dados? Usados onde? Em qual seção? Um editor hexadecimal ignorantão não me daria isso. Além disso, se os arquivos fossem diferente estruturalmente, ou em tamanho, eu queria saber antes, pra não perder tempo analisando diferenças de bytes hexa que eu não sei o que é.
      2. Existem softwares para comparar binários PE muito mais poderosos, como o BinDiff. Por que caralhas você não o usou?
      O BinDiff é pra comparar código. Minha diferença estava nos dados. Além disso, o BinDiff e seus amigos traduzem o Assembly original do binário para uma linguagem intermediária própria e comparam lógica, não instruções. É bem fodão, mas não me atendia neste caso, afinal eu já sabia que os binários eram idênticos em funcionalidade. Só queria saber onde estava a diferença exata.
      3. Percebi pela screenshot do Stud_PE que ele também compara a estrutura dos arquivos PE, então todo aquele processo com o readpe foi à toa?
      Sim, foi só pra Inglês ver. Não, brincadeira! O Stud_PE compara os cabeçalhos COFF, Optional e os diretórios de dados somente. O readpe imprime todos os cabeçalhos, incluindo todas as seções mais os imports. É outro nível, moleque! 😏

      4. E quanto à executáveis ELF?
      O título não fala somente de PE propositalmente, já que a mesma técnica pode ser usada para arquivos ELF, só mudando os programas (readelf, etc).
      Por hora é só. Se você deixar sua análise abaixo ou quiser fazer um comentário/pergunta, ficarei muito grato. Considera apoiar a gente também vai. 💚
    • Por Fernando Mercês
      Muitos jogos antigos apresentam problemas ao serem executados ou simplesmente instalados no Windows Vista. Isto acontece por conseqüência de diversos fatores, mas o principal é que quando o jogo (ou software) foi desenvolvido, o Windows Vista ainda não estava no mercado, o que impediu testes de serem realizados, entre outros aspectos.
      Este artigo mostra um exemplo de como utilizar a ER para estudar o executável do game e saber o que o impede de rodar no Vista.
      Você verá como uma simples alteração em 2 bytes de um arquivo PE pode salvar seu fim de semana.
      Ao tentar instalar o jogo Mortal Kombat 4 (PC) no Windows Vista Home Basic, obtivemos um erro fatal que dizia: “Start Menu Error”. A única opção era clicar no botão OK, que encerraria a execução do programa de instalação.
      Numa tentativa de contornar tal situção, copiamos o conteúdo do CD-ROM para um diretório no disco rígido e tentamos executar o game pelo seu executável direto, o MK4.EXE. Isso resultou no seguinte erro:

      É notável que o executável checa se a instalação do jogo foi feita e, como não foi feita, recebemos a mensagem acima. Ao clicar em OK, o processo é encerrado.
      Mas o que será que o jogo checa para saber se está instalado ou não? Para responder a essa pergunta precisaremos de um debugger de executáveis. Um aplicativo que mostra, em assembly, as rotinas executadas por arquivo PE. Usaremos o OllyDbg para tal função.
      Ao abrir o executável MK4.EXE no OllyDbg, vamos procurar pela string de texto contida na mensagem de erro da primeira imagem. Para isto, clique com o botão direito do mouse no primeiro quadrante e escolha “Search for > All referenced text strings”, como sugere a imagem abaixo:

      A próxima tela mostra uma lista contendo todas as strings de texto encontradas e entendidas no arquivo MK4.EXE. Nela, clicando novamente com o botão direito do mouse e escolhendo “Search text”, abrirá uma janela como a mostrada abaixo e então digitamos o texto “CD” (sem aspas) e marcamos a opção para diferenciar o caso, para filtrar a pesquisa.

      Isso foi feito para encontrarmos a string de texto que nos foi exibida no erro incial, lembra-se? O texto era “Mortal Kombat 4 is not installed. Run Setup from the CD”. Por isso buscamos a palavra “CD”, para achar essa string dentro do executável do jogo, o que nos leva para próximo da rotina onde esta mensagem é chamada.
      Vamos ver o resultado na imagem abaixo:

      O Olly nos mostra que no endereço 004AD2B1, o comando é PUSH 004F474C, que vai empurrar para a memória (stack) o nosso texto. Para localizarmos exatamente onde está este comando no programa, basta darmos um ENTER nesta linha e a tela abaixo é exibida.
       
      Entramos no bloco onde o texto do erro é exibido na tela. Vamos subir um pouco para ver o que vem antes.
      Na linha 004AD299 temos um CALL (como um GOTO) e, depois que a CALL temina e o programa volta para sua execução normal, temos um TEST EAX, EAX, que é um comando que verifica se o conteúdo de EAX é zero. Então podemos prever que a CALL altera o valor de EAX.
      Mais abaixo, temos um JNZ 004AD2D4. Esse JNZ significa Jump if Not Zero (Pule se não for zero), o que quer dizer que a execução do programa saltará para a linha 004AD2D4 se o conteúdo de EAX não for zero.
      Bom, se a execução não saltar e seguir abaixo, cairemos na mensagem de erro. Se saltar, a pularemos. Então seria interessante alterar essa parte do programa para que sempre salte para a linha 004AD2D4. Isso significa que independente do resultado do teste anterior (TEST EAX, EAX) o salto ocorrerá, sempre. Assim nunca cairemos na mensagem novamente e programa continuará sua execução normal.
      O comando que faz o papel de salto incondicional em assembly é o JMP (Jump). Então, vamos alterar o JNZ da linha 004AD2A0 para JMP (e manter o resto da linha). Para isso, basta selecionar a linha e apertar a barra de espaços, depois clicar em Assemble.

      Feito isso, o Olly marca nossa alteração em vermelho. Clicando com o botão direito do mouse sobre a alteração (ou próximo) e escolhendo “Copy > All modifications”, uma tela com as modificações abre e então basta clicar novamente com o botão direito e escolher “Save file”.

      Dei o nome de MK4-mod.EXE para facilitar o reconhecimento. Agora vamos ao teste. Ao executar este novo executável modificando, vemos o jogo rodando:

      É importante esclarecer que os passos descritos aqui não são genéricos e não servem para todos os softwares que não funcionam, em primeira instância, no Vista. O funcionamento depende de vários fatores e principalmente do nível de integração do software com o SO para o qual ele foi desenvoldido.
      O objetivo deste artigo foi demonstrar como a ER pode nos ajudar a resolver pequenos (e grandes, por quê não?) problemas do dia-a-dia na informática. Este é um dentre dezenas de exemplos de uso da ER para soluções que seriam um pouco difíceis sem ela.
    • Por Fernando Mercês
      Apesar de ser um assunto que já foi tratado em muitos sites e fóruns, continuo a observar que alguns usuários do Windows devem ter mais atenção com o tipo de arquivo que aplica o famoso duplo-clique. Identificar se o arquivo é inofensivo ou se é uma ameaça pode ser mais fácil do que se imagina. Este artigo tem como intenção desmistificar as lendas sobre as extensões de arquivos maliciosos e alertar sobre as extensões perigosas.
      O sistema operacional Windows reconhece (deduz o conteúdo) dos arquvios por sua extensão. Mas o que é extensão de arquivo?
      Extensão de arquivo para o MS-Windows, comumente são os três caracteres após o ponto, no nome completo do arquivo. Por exemplo, documento001.txt, é um arquivo com extensão .TXT, logo, o Windows deduzirá que é um documento de texto e associará este documento à um certo programa, que poderá abrí-lo (recebendo seu caminho como parâmetro) mediante um duplo-clique neste documento.
      Confundiu? Bom, em termos práticos, cada extensão de arquivo que mereça, possui um determinado programa responsável por interpretar um duplo-clique num arquivo que possua tal extensão. Essas informações (quais extensões são abertas por qual programa) ficam no registro do Windows.
      Ainda com o exemplo do documento001.txt, vamos analisar sua associação: ao dar um duplo-clique nele, vemos que ele é aberto pelo Bloco de Notas (notepad.exe).
      A chave do registro responsável por armazenar as informações desta associação é, no Windows XP: HKEY_CLASSES_ROOT\txtfile\shell\open\command. Veja a imagem:

      Perceba que na coluna "Dados" há o caminho completo do notepad.exe (usando uma variável de sistema sim, mas não deixa de ser o caminho absoluto), seguido de %1. Já sabemos que é o Bloco de Notas (notepad.exe) que abrirá arquivos de texto, agora vamos entender o parâmetro.
      Eu escrevi mais acima que o caminho do arquivo a ser aberto era passado por parâmetro. É justamente isso que o "%1" faz. Essa variável armazena o caminho absoluto do arquivo que está sendo acessado, no instante do acesso. Portanto, se você clicou no arquivo documento001.txt e ele está em C:\docs\, esta variável conterá o valor C:\docs\documento001.txt. Isso informa ao Bloco de Notas onde está o arquivo.
      Agora que já sabemos o que é e como funciona a extensão, vamos aos riscos.
      Um arquivo executável precisa ter uma extensão de executável para ser executado. As extensões mais comuns de arquivos executáveis são: EXE, COM, BAT, VBS, MSI, SCR, arquivos do Office (porque podem conter macros, que são executáveis).
      Um vírus, obrigatoriamente, tem que ter uma dessas extensões. Ou seja, ele tem que ser um executável.
      O problema é que há certos disfarces utilizados pelos disseminadores de vírus. Um deles é colocar um nome de arquivo do tipo: "arquivo.jpg .exe". Assim mesmo, com vários espaços entre o .jpg e o .exe. A extensão deste arquivo de exemplo é .EXE e ele será executado como tal! Não é .jpg! O texto ".jpg" neste caso faz parte do nome do arquivo e não da extensão. A "técnica" de colocar espaços é para que os programas de email e webmail identifiquem um nome muito grande e exibam reticências após o .jpg, dando a impressão que é um arquivo de imagem.
      Detalhe que o ícone de um executável pode ser facilmente alterado para o ícone de uma imagem, o que aumenta as chances da vítima de ser enganada.
      Os vírus são programas. Logo, repito, são executáveis. Um arquivo de áudio puro, por exemplo, não pode ser vírus! A extensão .mp3 estaria associada ao Windows Media Player, ou Winamp, ou qualquer outro. Esses software não executam rotinas de executáveis. Só entendem fluxo de mídia, portanto, não executam as rotinas virais diretamente. Mas eles podem conter falhas que sejam exploradas através de payloads maliciosos de arquivos de mídia ou playlists (como os .m3u).
      Tenha certeza da extensão do arquivo e de sua procedência, e estará praticamente livre de ser infectado por um vírus anexo à um e-mail ou disponível para download. Mas lembre-se que os arquivos podem também estar zipados (.ZIP) ou compactados com outro compactador (RAR, LZIP, GZIP, LHA, JAR, etc). Dentro deles é que você deve examinar a extensão do arquivo.
×