Jump to content
  • Como remover malware de pen drive

       (0 reviews)

    Fernando Mercês
     Share

    É notória a quantidade de pen drives e cartões de memória infectados com vírus. Freqüentemente nos deparamos com vírus novos, que os antivírus não conhecem (a vacina é criada depois de certo tempo). Essas pragas disseminadas por pen drives são tão perigosas quanto as disseminadas pela internet e às vezes até mais destruidoras, ou seja, o cuidado deve ser redobrado. Veja neste artigo como se defender de um pen drive ou cartão de memória infectado e saiba como remover o vírus destes dispositivos.

    O primeiro ponto a entender é como um vírus infecta um pen drive. Sabemos que vírus são programas (executáveis) e a infecção de um pen drive acontece quando o inserimos em um PC infectado (ou quando o PC infectado já possui um pen drive inserido na porta USB). Se o pen drive infectado é inserido em PC saudável e sem proteção adequada, este PC é infectado e passa a infectar todos os pen drives inseridos nele posteriormente, ou seja, a disseminação da praga fica fora de controle.

    Infelizmente, tudo funciona muito bem graças a uma ajudinha da arquitetura e controle de permissões do Windows. Acontece que normalmente o usuário logado num sistema Windows pertence ao grupo “Administradores”, isto é, possui todas as permissões de escrita e leitura em praticamente todo o disco rígido e áreas de memória. Para um vírus, isto é um prato cheio. Da mesma maneira que um programa de instalação qualquer pode ser executado com sucesso pelo usuário logado (copiando arquivos para diretórios de sistema e criando processos privilegiados), um vírus também pode, pois rodará com as permissões do usuário, que são as de administrador do sistema (as máximas).

    Quando o usuário incauto executa um vírus, este normalmente carrega-se em memória, copia-se para vários locais (backup), tenta infectar outras máquinas na rede e faz com que seja inicializado a cada reinicialização do sistema. É mais ou menos a definição de um worm. Tratamos de algumas técnicas manuais utilizadas para remover estes vírus no artigo Remoção manual de malware no Windows.

    Assim que um pen drive sadio é inserido na porta USB, a praga copia-se para ele. Até aí, nenhuma novidade. Mas como, ao inserir este pen drive em outro computador, ocorre a infecção? Acontece que o Windows possui uma facilidade chamada autorun (ou auto-inicialização) para drives montados e com letra atribuída. Como os pen drives são reconhecidos como uma unidade de disco (recebem inclusive uma letra disponível para serem acessados, por exemplo, F:), esta facilidade pode ser usada nestes dispositivos.

    Funcionamento da auto-inicialização:

    O autorun serve para executar algum aplicativo assim que o drive é montado. O exemplo clássico são os CD-ROMs que, ao serem inseridos no drive de CD, abrem uma aplicação com menus e outros recursos. A questão é que o autorun pode ser utilizado em qualquer drive, seja uma partição do disco, CD-ROM, DVD, pen-drive, câmera digital, etc.

    Para usar esta facilidade, basta adicionar um arquivo chamado autorun.inf no diretório raiz do drive em questão. Neste arquivo são escritas rotinas que o Windows deverá seguir quando assim que o drive for montado. Veja um exemplo:

    [autorun]
    open=menu.exe
    icon=menu.ico

    Se você salvar o conteúdo do exemplo acima num arquivo de texto, nomeá-lo autorun.inf e movê-lo para o diretório raiz de um drive, ao montar ou acessar este drive, as instruções contidas neste arquivo serão executadas.

    Creio que as instruções sejam auto-explicativas. Basicamente o ícone do drive exibirá agora o ícone menu.ico, contido no diretório raiz do drive (do CD-ROM, por exemplo) e a aplicação menu.exe será carregada.

    À esta altura você deve imaginar como o vírus de pen-drive é executado assim que ele é inserido. Isso mesmo, usando essa técnica. Todos os pen-drives infectados que analisei continham um arquivo autorun.inf, com instruções para execução do vírus.

    Evitando a contaminação:

    Ficar imune é impossível. Nunca poderemos prever as técnicas de contaminação que serão inventadas. Aliás, cá entre nós, são muito “boas”. No entanto, algumas medidas podem ser tomadas para diminuir os riscos de contaminação. São elas:

    1. Desabilitar a auto-reprodução em unidades removíveis.

    No registro, navegue até a chave HKEY_LOCAL_MACHINESOFTWAREMicrosoftWindowsCurrentVersionpoliciesExplorer e sete o valor NoDriveTypeAutoRun para 4. Isso desabilitará a auto-reprodução em unidades removíveis. Se quiser desabilitar em qualquer tipo de unidade (recomendo), utilize o valor ff.

    2. Sempre abrir a unidade removível (pen-drive, cartão de memória, etc) pelo Windows Explorer, ao invés de dar duplo-clique no ícone.

    Basta clicar com o botão direito na unidade e escolher “Explorar” ou abrir o Windows Explorer e clicar sobre a unidade.

    3. Desabilitar a execução do arquivo autorun.inf, geralmente responsável pela infecção.Copie e cole as linhas abaixo para o Bloco de Notas e salve como inf.reg:

    REGEDIT4
    [HKEY_LOCAL_MACHINESOFTWAREMicrosoftWindows NTCurrentVersionIniFileMappingAutorun.inf]
    @=”@SYS:DoesNotExistSEUNOME”

    Substitua SEUNOME pelo seu primeiro nome (sem acento ou espaços). Depois basta executar este inf.reg que você gerou.

    Para facilitar as coisas, escrevi um software que faz este trabalho. Chamei-o de USBForce. Funciona assim:

    Na primeira vez que é executado na máquina, o USBForce:

    • Desabilita a auto-reprodução em todas as unidades.
    • Desabilita o reconhecimento de arquivos autorun.inf.
    • Habilita sua proteção.

    A partir deste momento, ao inserir um pen-drive, cartão de memória ou qualquer dispositivo removível, o Windows o reconhecerá mas nenhuma tela será aberta. Você deve então clicar no ícone do USBForce em sua área de trabalho. Ele abrirá o dispotivo pra você e tentará detectar se existe algum vestígio de infecção de vírus no dispositivo. Em caso afirmativo, ele tentará localizar o vírus e deletar (você será avisado antes).

    Naturalmente é interessante colocá-lo em alguma pasta e criar um atalho pra ele na área de trabalho, para facilitar o acesso.


    Revisão: Leandro Fróes
     Share


    User Feedback

    Join the conversation

    You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
    Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

    Guest

    • This will not be shown to other users.
    • Add a review...

      ×   Pasted as rich text.   Restore formatting

        Only 75 emoji are allowed.

      ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

      ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

      ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

×
×
  • Create New...